<
>

Corinthians encara Boca para fazer o que só três brasileiros conseguiram e entrar em 'clube' de apenas seis rivais

Corinthians visita o Boca Juniors nesta terça-feira com ‘batalhão’ de problemas e com missão que só o Santos de Pelé conseguiu na Libertadores


O Corinthians terá uma missão duríssima pela frente nesta terça-feira (05), em Buenos Aires, pelas oitavas de final da Conmebol Libertadores. Com a promessa de encontrar La Bombonera lotada, o time de Vítor Pereira tentará entrar para a história como um dos poucos a conseguir derrotar o Boca Juniors como visitante.

Hexacampeão do maior torneio de clubes da América, o gigante argentino só foi superado em seus domínios por times brasileiros em apenas seis oportunidades, e apenas só uma vez levou a pior em uma eliminatória diante de um rival do Brasil: quando enfrentou o Santos de Pelé.

O Peixe contou com gols de Coutinho e do Rei do Futebol para vencer o Boca Juniors na final da Libertadores de 1963 por 2 a 1, virando o jogo após Sanfilippo marcar para os xeneizes.

Além do Santos, apenas outras cinco equipes brasileiras venceram jogando dentro do mítico Estádio Alberto José Armando, e três delas pela fase de grupos: Cruzeiro (1994), Fluminense (2012) e Palmeiras (2018).

A missão em mata-mata, no entanto, tem se mostrado historicamente mais dura. O feito que o Santos de Pelé conseguiu em 1963 segue único até os dias atuais. Mesmo tendo vencido o Boca Juniors em fases mata-mata dentro de La Bombonera, Paysandu (2003) e Internacional (2020) acabaram sendo superados na eliminatória.

O Papão fez história em 2003 ao sair de Buenos Aires com uma vitória heroica após o gol de Iarley, mas acabou derrotado por 4 a 2 em Belém. Já o Colorado, que devolveu na Argentina o placar de 1 a 0 adverso sofrido em Porto Alegre, acabou derrotado nos pênaltis por 5 a 4.

A marca da cal, inclusive, pode ser um caminho para a definição do classificado às quartas de final da Conmebol Libertadores de 2022. Com o empate em 0 a 0 na Neo Química Arena, um novo placar de igualdade (por qualquer placar) levará a partida para os pênaltis.

Uma vitória simples de qualquer equipe garante a classificação ao vencedor.

Além de um dos adversários mais tradicionais do futebol sul-americano, o Corinthians precisa ainda superar suas próprias dificuldades.

Sem poder contar com os volantes Paulinho (ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo) e Maycon (lesão do adutor da coxa direita), o técnico Vítor Pereira coleciona problemas para com outros oito nomes: Gil (lesão no músculo posterior da coxa direita), Gustavo Mosquito (tendinite), Rafael Ramos (desconforto no músculo posterior da coxa esquerda), Fagner (lesão no músculo posterior da coxa direita), Du Queiroz (contratura no músculo posterior da coxa esquerda), Renato Augusto (desconforto na panturrilha), João Victor (dores no tornozelo direito) e Willian (lesão no ombro direito).