<
>

CBF muda protocolo de COVID e passa a exigir somente comprovante de vacinação dos jogadores; veja

play
20 ANOS DO PENTA: Brasil parou em 2002 para comemorar título da Copa do Mundo; RELEMBRE (1:36)

Ronaldo Fenômeno marcou duas vezes, e seleção conquistou seu quinto título mundial naquele ano (1:36)

Novo protocolo será válido a partir desta sexta-feira (1°). Antes, teste já não era obrigatório para os clubes


O mês de julho se inicia com uma novidade para as principais divisões do Campeonato Brasileiro. Nesta quinta-feira (30), a Comissão Médica Especial da CBF divulgou novos protocolos de COVID para as competições nacionais.

A partir de agora, será necessária apenas a comprovação de vacinação completa de jogadores e membros de comissão técnica, com vacinas de duas doses ou dose única. As doses de reforço não serão obrigatórias, mas recomendadas.

Desde abril, além do comprovante de vacinação, os clubes precisavam apresentar formulários à CBF com dados sobre possíveis sintomas que os membros das equipes poderiam estar sentindo. Antes disso, um teste também era obrigatório.

Veja abaixo todas as novas normativas definidas pela CBF:

1. A partir de 1 de julho de 2022, somente a comprovação da vacinação plena para a proteção da doença Covid-19 será obrigatória para a elegibilidade de inscrição em súmula de jogo.

2. Os médicos dos clubes devem enviar no Portal do Médico os certificados da vacinação plena para a análise da Comissão Médica Especial da CBF. Se validada, o indivíduo estará elegível para inscrição em súmula de jogo.

3. A validação do certificado de vacinação plena será aplicada após o período de 14 dias da data da aplicação da segunda dose, nas vacinas de duas doses, ou 14 dias após a data da aplicação da vacina de dose única.

4. A Comissão Médica Especial da CBF recomenda fortemente a aplicação das doses adicionais de reforço da vacina para a proteção da doença Covid-19, segundo os critérios estabelecidos pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

5. A validação do certificado da dose adicional da vacina será na data da aplicação. Os certificados de vacinação aprovados pela Comissão Médica Especial da CBF terão validade a princípio, até o dia 31 de dezembro de 2022.

6. Deixa de ser obrigatório o envio do inquérito epidemiológico pelos médicos dos clubes no Portal do Médico da CBF a partir de 1 de julho de 2022 para a elegibilidade de inscrição em súmula de jogo.

7. Está mantida a obrigatoriedade da notificação compulsória à Comissão Médica Especial da CBF de TODOS os casos, devidamente acompanhados dos resultados dos testes RT-PCR ou testes Pesquisa de Antígenos positivos, de atletas e comissão técnica com SINTOMAS RESPIRATÓRIOS, sem prejuízo da notificação compulsória às autoridades sanitárias.

8. De acordo com a Portaria Interministerial MPT/MS 17, publicada em 1 de abril de 2022, o autoteste para a detecção de antígeno do vírus SARS-CoV-2 tem caráter de triagem e orientação. Desta forma, não serão aceitos os auto-testes realizados pelos departamentos médicos dos clubes para fins do diagnóstico da doença Covid-19 ou para abreviação do período do isolamento respiratório obrigatório de 10 dias. Os testes devem ser obrigatoriamente realizados por laboratórios ou farmácias, com laudos assinados pelos profissionais devidamente regulamentados pelas autoridades sanitárias.

9. As notificações acima deverão ser enviadas aos e-mails específicos para cada série e divisão, além do envio ao Portal do Médico.

10. O período obrigatório de isolamento respiratório nos indivíduos com teste positivo para o diagnóstico de Covid-19 é de 10 dias a contar da data da coleta (D1). O departamento médico terá a prerrogativa, às expensas do clube, de realizar o teste pesquisa de antígenos ou teste RT-PCR a partir do sétimo dia (D7), se o indivíduo estiver sem sintomas respiratórios, afebril e sem uso de medicamentos nas últimas 24 horas.

11. O clube poderá enviar recurso aos e-mails específicos para cada série ou divisão com os resultados dos testes e atestado médico individual. Para a liberação do atleta, é obrigatório o envio do inquérito epidemiológico e do teste diagnóstico negativo a partir do sétimo dia (D7). Em caso de deferimento do recurso, a liberação ocorrerá na data da coleta do exame negativo (D7).

12. Ao clube que apresentar individuo com teste positivo é altamente recomendável a testagem em todo o elenco de atletas e comissão técnica, às expensas do clube, para segurança epidemiológica de todo o grupo.

13. A Comissão Médica Especial da CBF recomenda a utilização de máscaras, de acordo com o determinado pelas autoridades sanitárias de cada localidade.

14. O clube será responsável pela busca e ciência das normas sanitárias vigentes nos estados e municípios em que atuará como visitante, pois o regulamento da CBF não se sobrepõe às normas das autoridades sanitárias locais.

15. Por tratar-se de um protocolo dinâmico, a Comissão Médica Especial da CBF terá a prerrogativa de exigir a realização de testes diagnósticos para a Covid-19 ou alterar o protocolo a qualquer momento e de acordo com a atualização das evidências científicas ou por determinação das autoridades sanitárias.