<
>

Após 'relíquias quase irem parar o lixo', Pacaembu completa um ano em obras já com prazo para voltar a receber jogos

play
E o Pacaembu? Executivo explica avanço das obras após seis meses, e locutor oficial mata a saudade ao rever o velho estádio municipal (8:37)

Local está em obras desde junho de 2021 e a previsão é que seja reaberto no final de 2023 (8:37)

ESPN visitou o canteiro de obras no Estádio Paulo Machado de Carvalho, que deve voltar a ter jogos de futebol em 2024


São imagens fortes para os saudosistas e esperançosas para quem sonha com um novo estádio. O dia 29 de julho, próxima quarta-feira, marcará exatamente um ano do início da reforma no Estádio Paulo Machado de Carvalho. Por enquanto, são 75 mil m² de terra, demolição, tratores espalhados e até relíquias encontradas.

Foi isso o que a ESPN presenciou ao visitar as ruínas do estádio que completou 82 anos desde sua inauguração. A primeira sensação é de vazio.

A arquibancada conhecida como tobogã já não está mais lá, assim como as antigas áreas que contornavam o Paulo Machado de Carvalho.

“Foram seis meses só para desmontar o tobogã”, contou à ESPN o engenheiro Paulo Coutinho, responsável pela obra. “Tudo foi feito manualmente. Se fizéssemos via implosão, prejudicaria a estrutura do ginásio, que não será demolido”.

Relíquias escondidas sob os escombros

Algumas relíquias do futebol paulista e brasileiro foram descobertas durante a demolição, entre elas cadeiras originais do estádio, placas de orientação, troféus antigos e até uma placa em homenagem ao milésimo gol de Pelé, com as marcas dos pés do Rei do Futebol.

Isso tudo estava jogado numa caçamba. Ia para o lixo, mas a equipe de obras conseguiu recuperar cada relíquia”, conta Beatriz Oliveira, assessora de comunicação da Allegra Pacaembu, empresa responsável pela reforma.

Outras raridades foram encontradas quase que como em um processo de escavação arqueológica. A estrutura que sustenta o teto do antigo ginásio é de Peroba Rosa, mas estava escondida debaixo de uma tinta cinza, utilizado na última reforma.

“Restauradores dizerem que é uma madeira rara. Tem tanta qualidade que está perfeita, mas estava escondida”, lamenta Beatriz.

Hotel, espetáculos e 800 vasos sanitários

No lugar do antigo tobogã será erguido um prédio de nove andares, que vai abrigar centro de convivência, três restaurantes, duas clínicas esportivas e um hotel com 85 quartos. A empresa Universal Music, que está construindo outros três hotéis nos Estados Unidos, um na Colômbia e outro no México, será a responsável pela administração.

“Essa mesma empresa agencia grandes artistas do mundo. Ela vai administrar o hotel e trazer para o novo Pacaembu esses grandes espetáculos. O artista vai sair do quarto direto para o palco”, revela Eduardo Barella, CEO da Allegra Pacaembu.

As arquibancadas laterais foram removidas para que o antigo vale onde elas ficavam apoiadas - processo conhecido como talude - fosse escavado. Por baixo delas ficarão lanchonetes, uma arena de ESports e banheiros, que substituirão os químicos que estavam espalhados pelo antigo estádio.

“Serão cerca 800 vasos sanitários no complexo, mais de 500 só na área do estádio”, conta Barella.

Reconstruir as arquibancadas laterais como as originais está entre os grandes desafios do novo projeto.

“Elas são curvas e assimétricas, até na altura de cada degrau”, conta Paulo Courinho. “Se hoje um estádio é construído com peças simétricas pré-moldadas, a gente vai ter que encaixar um quebra-cabeças com peças de 20 toneladas”, brinca o engenheiro. “Mas vai ficar igual”, garante.

“O argumento 'estão cometendo um crime' não existe. Tudo está sendo feito dentro da lei, de acordo com a aprovação dos órgãos responsáveis”, explica Eduardo Barella.

Aberto ao público e em busca de novos talentos

Estão sendo investidos mais de R$ 400 milhões em todo o complexo, que além do estádio conta também com ginásio poliesportivo, centro de convenções, arena de ESports, piscina e quadras de tênis.

A pista de atletismo, concretada na última reforma, também será reativada, além de uma pista de cooper que vai rodear todo o complexo. Cerca de R$ 7,8 milhões serão investidos apenas na piscina olímpica.

“Não pretendemos explorar comercialmente. Está sendo reformada para devolver à população”, conta Barella.

A empresa, que tem o direito de explorar o complexo por 35 anos, espera que três milhões de pessoas passem por ali anualmente.

“O Pacaembu original era aberto. Com o passar dos anos e reformas, um muro foi separando o clube da cidade. Para nós é importante ter as pessoas circulando aqui”, diz o empresário. A ideia é que grandes empresas patrocinem cada setor do complexo e que novos atletas sejam descobertos por lá.

“A gente conversa e gostaria que ex-atletas, que tenham competência para isso, trabalhem no projeto”.

Reinauguração na Copinha de 2024

Mas a grande preocupação do torcedor é: quanto vai custar para assistir aos jogos no novo Pacaembu?

“Isso não depende da gente, mas de quem alugar o estádio”, conta Barella. “E pode ser até de graça”, garante. Como? “Para nós, não adianta simplesmente cobrar um valor de aluguel. O clube que quiser jogar aqui precisa entrar no negócio conosco. Se entrar, garanto que faz dois, três, quatro milhões de renda”.

Com ingresso de graça?

“Se o clube vender 2 mil cadeiras a R$ 1mil, ele já faz R$ 2 milhões. Claro que um torcedor comum não vai pagar isso, mas oferecendo experiências para as empresas e patrocinadores, eles compram. Se uma cadeira na NBA pode custar até R$ 8 mil, por que aqui não podemos criar algo parecido? Ativando comercialmente com patrocinadores, o clube pode vender outros setores do estádio a R$ 10,00 ou R$ 20,00, pouco importa. Dá até para fazer a final da Taça das Favelas com portões abertos”.

“O Pacaembu nunca vai deixar de ser Pacaembu”, garante Eduardo Barella. “Não é só uma promessa, foi o que assinamos. Até se vendermos o naming right do estádio, ele terá que vir acompanhando de Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho - Pacaembu”.

São muitos compromissos, mas também muito ainda a erguer.

“Está tudo dentro do cronograma. Vamos inaugurar o novo Pacaembu na Final da Taça São Paulo de 2024. Pode me cobrar”.