<
>

Presidente do Bayern cita dívida bilionária e cutuca Barcelona por interesse em Lewandowski: 'Na Alemanha estaria insolvente por muito tempo'

Em entrevista a uma emissora de TV alemã, Uli Hoeness disse não entender a postura do Barcelona de querer o atacante em meio a uma grave crise financeira


Presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness não teve papas na língua e cutucou o Barcelona pela busca da contratação do atacante Robert Lewandowski. Em entrevista à emissora de TV alemã RTL, o mandatário citou o momento financeiro crítico dos catalães, e que por isso não vê sentido no interesse do clube rival na chegada do astro.

"Eles supostamente querem Lewandowski, seis meses atrás eles ainda tinham uma dívida de 1,3 bilhão de euros (R$ 7 bilhões, pela cotação atual). Eles têm que ser artistas, na Alemanha você estaria insolvente por muito tempo!", começou por dizer Hoeness.

Segundo apurou a ESPN, o Barcelona inclusive apresentou uma primeira oferta ao Bayern para adquirir os direitos de Lewandowski, que tem contrato até junho de 2023. Dirigentes do clube bávaro declararam publicamente que não querem vender o atacante, mas, depois de contratar Sadio Mané por 41 milhões de euros (R$ 223 milhões), fontes sugerem que poderiam negociar o camisa 9 por uma quantia semelhante.

O presidente do gigante alemão ainda insistiu que, se Lewandowski for embora, o Bayern não possuiu um substituto imediato. Hoeness ainda revelou que ainda tem esperanças pela permanência do atual Melhor do Mundo.

"Obviamente não encontramos um (substituto para Lewandowski) ainda, então nossa opinião é clara", disse.

"Se ele ficar, jogar bem e continuar se sentindo super confortável na Alemanha com sua família, talvez ele chegue em janeiro e diga: 'Uau, eu gosto tanto daqui, talvez eu fique mais dois ou três anos'", finalizou.

Na semana passada, o atacante de 33 anos, que aproveita as férias após o fim da temporada e as partidas pela seleção polonesa, voltou a afirmar que o seu desejo é, de fato, deixar o Bayern de Munique.

"Tenho ainda um ano de contrato, por isso pedi ao clube a aprovação para uma transferência. Acho que na situação atual é a melhor solução, sobretudo porque o clube ainda pode receber dinheiro", disse o atacante, em entrevista ao jornal alemão Bild.

"Não quero forçar nada, não se trata disso. Trata-se de procurar a melhor solução. Há que esfriar as emoções, quero falar com tranquilidade e não através de repórteres. Espero que os torcedores algum dia me entendam”, finalizou.