<
>

Chelsea desliga peça fundamental da era Abrahmovich e dá mais voz a Tuchel para contratações com novo dono

Agora sobre o comando do norte-americano Todd Boehly, o Chelsea demitiu Marina Granovskaia, ex-diretora executiva do clube


Sob nova direção, o Chelsea anunciou nesta quarta-feira (22) uma série de mudanças administrativas. Uma delas a saída da ex-diretora Marina Granovskaia, que foi figura chave nos bastidores durante a era Roman Abramovich (ex-dono dos Blues), sobretudo na busca por contratações.

Com um novo conselho de direção desde a compra do clube pelo empresário norte-americano Todd Boehly, o Chelsea começa a implementar as suas primeiras mudanças como já era esperado. Boehly inclusive está incluído nelas, já que será o presidente e também interinamente o diretor esportivo. Com isso o técnico Thomas Tuchel terá mais voz na hora de contratar já para a temporada que começará em breve.

"Nós agradecemos a Marina pelos muitos anos de serviços excelentes para o clube e desejamos o melhor no futuro", disse Boehly sobre a saída de Granovskaia.

Conterrânea de Abramovich, Granovskaia acompanhava o ex-dono do Chelsea em seus negócios desde 1997. Em 2003, quando o magnata russo comprou o clube, ela se mudou para Londres, mas só começou a trabalhar diretamente nos Blues em 2010. Quatro anos depois, ela foi promovida ao cargo de diretora executiva, auxiliando diretamente na contratação de reforços para o time.

À época, a famosa revista Times deu destaque para o novo cargo desempenhado pela russa e a chamou de "mulher mais poderosa do futebol". De lá para cá, ela fez alguns dos principais negócios da história do clube londrino, como por exemplo a contratação milionária de Romelu Lukaku, no início da última temporada, em operação que custou 115 milhões de euros (R$ 704 milhões, pela cotação da época). O belga, porém, não se encaixou no time de Tuchel e, inclusive, negocia sua volta à Inter de Milão por empréstimo.