<
>

Grupo fora da Libra vai formalizar união e não descarta vender direitos de transmissão em bloco separado

Liga do futebol brasileiro se divide em dois blocos até o momento


Uma reunião na sede da CBF nesta quarta-feira definiu a criação de um outro grupo de clubes para discutir a liga do futebol brasileiro. O bloco discorda da postura da Libra em relação à divisão das receitas de direitos de televisão e não descarta vender seus jogos de maneira separada.

Ainda não aderiram à Libra clubes como Atlético-MG, Fluminense, Internacional, Fortaleza, Atlético-GO, América-MG e Athletico-PR, para citar alguns. Um estatuto será elaborado por uma comissão do grupo e deve ser assinado em breve em evento para o qual serão convidados os clubes participantes da Libra.

"Nosso grupo buscou contato com o grupo que já está formalizado (Libra) do outro lado, para que a gente pudesse discutir as nossas ideias, não tivemos inicialmente ainda um encontro, uma receptividade. A gente está buscando então formalizar o nosso grupo, debater as nossas ideias internamente, para depois tentar buscar uma composição (com a Libra)", disse o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, na sede da CBF.

"Todos nós desejamos a criação de uma liga. Entretanto, a maior quantidade de clubes entende que o modelo proposto pelo grupo que criou sua associação lá (Libra), sua liga, que aquele modelo vai manter ou até mesmo acentuar as diferenças de distribuição de receitas do futebol brasileiro dos últimos anos. O que a gente tenta sentar para discutir é que a gente contratou duas empresas de consultoria que demonstram por números, tecnicamente, o que a gente acredita ser mais factível, mais justo", completou o mandatário tricolor.

O grupo não descarta, inclusive, vender seus direitos de transmissão em um bloco separado ao da Libra. Com a lei do mandante, os clubes desse bloco também teriam direito de televisão sobre as partidas dos clubes do “outro lado” quando estes estiverem de visitante.

"Acho que, desde o início, isso está muito claro. Se não for formalizada uma liga com todos os clubes, no final das contas, vão acabar tendo um ou dois grupos vendendo direitos comerciais. Mas isso é uma discussão para o futuro também, temos contratos com dois anos de duração”, admitiu Bittencourt.

Após formalizar a união, a ideia do bloco é discutir e encontrar um meio-termo com os participantes da Libra.

"Há a possibilidade de composição sempre, óbvio que sim. Acho que a gente vai caminhar para isso no futuro. Mas a gente minimamente gostaria de expor nossas ideias e ser ouvido”, afirmou Bittencourt.

Já aderiram à Libra clubes como o São Paulo, Palmeiras, Corinthians, Santos, Flamengo, Botafogo, Vasco e Cruzeiro.