<
>

Vítor Pereira detalha problema interno com Róger Guedes no Corinthians e crava o que para ele é 'inegociável': 'Não se diz com palavras'

play
Vítor Pereira se desculpa por fala sobre Liverpool e rasga elogios ao Corinthians: 'É uma família' (1:58)

Técnico do clube concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira (27) (1:58)

Treinador do Corinthians concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira (27) e falou mais uma vez sobre os problemas envolvendo Roger Guedes


Após o frustrante empate por 1 a 1 com o Always Ready, da Bolívia, na Neo Química Arena, resultado que deixou o Corinthians na 2ª colocação do Grupo E, o técnico Vítor Pereira, que não esteve presente no duelo por suspensão, concedeu entrevista coletiva no CT Joaquim Grava para esclarecer alguns pontos a respeito do momento da equipe.

Um dos pontos principais das falas do português foi sobre Róger Guedes. Apontado como um dos grandes nomes do ataque corintiano, o atleta perdeu espaço de maneira considerável com a chegada de Vítor Pereira. No clássico diante do São Paulo, mesmo pedido pela torcida, o ex-palmeirense não foi chamado pelo treinador.

Já diante do Always Ready, Guedes atuou em pouco menos de meia hora, mas pouco acrescentou na produção ofensiva. Na coletiva desta sexta, Vítor Pereira voltou a abordar o assunto e foi didático a respeito do porquê o atacante praticamente não ser utilizado, além de ‘cutucar’ a imprensa.

“Vou tentar finalizar esse assunto do Róger. Não sou de novelas. A verdade não vende. Só querem saber da polêmica. Tudo o que é polêmica, vende. Para o Róger e para qualquer jogador. O Duílio, quando conversou comigo para vir ao Corinthians, pediu para ser como sou comigo, ser exigente. Todos os títulos que ganhei na minha carreira foram à base de exigência, de compromisso, trabalhando no limite, estar sempre no melhor nível, nos jogos e nos treinos. Isso não é negociável. Não é negociável ir para o treino e sentir que não fiz tudo”.

play
1:58

Vítor Pereira se desculpa por fala sobre Liverpool e rasga elogios ao Corinthians: 'É uma família'

Técnico do clube concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira (27)

“Como me entrego de corpo e alma em tudo na minha vida, minha exigência é a mesma para o Róger ou para qualquer um deles. Para expressarem sua qualidade. A qualidade do Roger não está em questão, eu sei que ele tem. Mas compromisso, entrega, espírito de sacrifício, lutar todos os dias para ser melhor e claramente dizer para mim que quer ajudar...e isso não se faz com palavras. Já tivemos uma, duas, três. É quase como um filho. É boa pessoa. Mas quando temos uma, duas, três conversas, depois só se acredita nas ações. Meus filhos são iguais”, disse o treinador. Vítor Pereira chegou a dizer que se sentiu culpado em determinado momento por ter exposto o atleta de maneira pública. No entanto, o português explicou que aguarda atitudes diferentes de Roger Guedes e que, mesmo com o atleta sendo eventualmente utilizado fora de posição, espera mais entrega e determinação dele.

“Eu estou convencido com o Róger, depois de refletir. Mas não podemos inverter os papeis. Eu acho que eu estou mal por exigir. Às vezes fico com a sensação quando ouço comentários e críticas, que eu, por querer o melhor para o clube e exigir de todos estar no mesmo nível, lutar, ser competitivo, que eu que estou mal. E isso não posso aceitar. Quando me disser assim: ‘não tinha necessidade de expor’. Chega um momento que é preciso expor”.

“Sabe por quê? Todas as vezes que eu chego aqui, sou cobrado em uma inversão de papeis, como se eu tivesse mal e ele estivesse bem. Mas, eu falo dele e de todos os outros. Se chega ao treino, se luta, se entrega, se é competitivo, e faz no jogo, jogando dez minutos, 15, na direita, na esquerda, no meio, seja onde for...esses vão ter sempre oportunidade. Se eu sentir que não estão dando o máximo porque estão contrariados”.

“O Róger e qualquer jogador do Corinthians vai ter sempre o meu apoio. Agora, estou conversando uma, duas, três vezes, e o resultado é sempre o mesmo. Nos últimos dias já vi um Roger diferente. Espero, para o bem do clube, da torcida, para o meu bem, que ele de fato se entregue, tenha compromisso, esteja no seu melhor nível e fundamentalmente respeitar a ele próprio. Isso é o mínimo para um clube que nos trata como uma família. E não vou falar mais desse assunto. Essa é a verdade. O resto é polemica”, finalizou.