<
>

Presidente de LaLiga reforça denúncia contra chefão do PSG: 'Isso não pode existir no futebol em 2022'

LaLiga pretende entrar com ação contra o PSG por uma possível violação nas regras do fair play financeiro na renovação com Mbappé


LaLiga está considerando tomar medidas legais contra o Paris Saint-Germain pela renovação do contrato de Kylian Mbappé, disseram fontes à ESPN, depois que o atacante decidiu esnobar uma mudança para o Real Madrid e permanecer na França .

A ESPN informou no sábado (21) que Mbappé informou ao presidente do Real, Florentino Perez, assim como ao técnico do PSG, Mauricio Pochettino e companheiros de equipe, que ele não deixaria Paris.

LaLiga deve denunciar o PSG pelo que eles acreditam ser uma violação das regras de fair play financeiro da Uefa, segundo o presidente da entidade, Javier Tebas.

"Eu espero fazer uma denúncia à Uefa antes de sexta-feira (27). Também queremos tomar outras atitudes. Estamos trabalhando com um escritório de advocacia francês para iniciar uma ação legal na França e na União Europeia. Vamos ver o que podemos fazer na Suíça. Nasser Al-Khelaifi é presidente do PSG, presidente da European Club Association (ECA), membro do comitê executivo da Uefa e presidente da beIN Sports, uma das maiores empresas de televisão do mundo que compra direitos de futebol. Ele tem muitos cargos, há muito conflito de interesses, e isto não pode acontecer. Isso não pode existir no futebol em 2022. Um líder como ele não pode estar nestas organizações e também presidir um canal de TV que compra LaLiga, Champions League, seleções...", disse Tebas, em evento de comemoração do centenário da Sociedade Desportiva Ponferradina, clube que disputa a La Liga2.

"O PSG está matando a Liga Francesa. Existem regras na Uefa para parar esses problemas, mas se não for interrompido, o PSG vai matar a liga francesa. Lutamos contra esses clubes há anos. Já denunciamos o Manchester City e o Paris Saint-Germain há três ou quatro temporadas, e eles foram sancionados pela Uefa, mas a sanção foi retirada após decisões estranhas da CAS (Corte Arbitral do Esporte). Espero que desta vez a CAS, a qual sou muito crítico, não precise tomar parte na decisão", completou.

"Para uma competição crescer, são necessárias mais atitudes, não se trata apenas de clubes ou jogadores. Messi foi para o PSG, e a Liga Francesa no total recebe 70 milhões de euros em direitos de transmissão internacional, enquanto nós [LaLiga] recebemos 900 milhões de euros sem Messi e Cristiano Ronaldo", finalizou.