<
>

Coletiva bomba! Vítor Pereira diz que queria 'treinar o Liverpool' e dispara contra Róger Guedes: 'Não dá para jogar com atleta sem compromisso'

play
Vítor Pereira nega ter problemas com Róger Guedes e explica ausência do atacante: 'Dificuldade nos treinos' (2:01)

Técnico do Corinthians falou em entrevista coletiva após o empate contra o São Paulo (2:01)

Vítor Pereira deu entrevista em tom fortíssimo após o empate por 1 a 1 entre Corinthians e São Paulo, neste domingo (22)


Após o empate por 1 a 1 com o São Paulo, neste domingo (22), pelo Campeonato Brasileiro, o técnico do Corinthians, Vítor Pereira, deu uma entrevista coletiva em tom fortíssimo.

Questionado diversas vezes sobre o motivo de não ter colocado em campo o atacante Róger Guedes, o português esbanjou sinceridade e afirmou que o jogador não está rendendo nos treinos, e que, portanto, não lhe dá confiança.

O comandante deu puxão de orelha no atleta, cobrando mais vontade de jogador e comprometimento defensivo, e chegou até mesmo a falar que "sairia correndo" para treinar o Liverpool, da Inglaterra, caso fosse chamado.

"Eu não tenho problema pessoal com nenhum jogador. Estou aqui para ajudá-los, para tentar ajudar todos eles a melhorarem. Agora... Eu tenho que fazer a equipe e escolher as substituições em função daquilo que os jogadores me tenham dado em termos de treino e jogo. Portanto, o Róger, que já passou um momento bom, a fazer gols, hoje é um jogador que está com algumas dificuldades de responder em termos de treino, de lutar para dar a volta por cima nessa situação", afirmou.

"Queria eu que ele me transmitisse a confiança para eu poder confiar nele para colocar no jogo, seja no decorrer ou desde o início, mas não estou sentindo essa confiança dele. Não estou dizendo que ele não quer (jogar), mas, nem em termos de treinos e nem em termos de jogos as indicações são essas", seguiu.

play
1:54

Vítor Pereira fala sobre posição de Róger Guedes: 'Não dá para jogar sem compromisso'

Técnico do Corinthians falou em entrevista coletiva após o empate contra o São Paulo

"Eu tenho que tomar minha decisão não com base no nome do Róger Guedes, não com base no que ele já fez, mas com o que ele está fazendo nesse momento. Minhas decisões sempre são assim, quer em treino, quer em jogo", explicou.

"Eu também queria treinar o Liverpool, mas não posso. Se você perguntar para mim, eu ia correndo treinar o Liverpool. Com todo respeito ao Corinthians, mas o Liverpool é o Liverpool. Aqui, não está sendo o que nós queremos. No meu conceito de jogo, não é o que queremos. O que a equipe precisa é dó Róger às vezes à esquerda, às vezes no meio, às vezes na direita. E ele tem que ter a capacidade de dar a resposta para isso, ou ao menos a intenção", argumentou.

"Ele tem que ter compromisso defensivo. Falam que o (camisa) 10 de antigamente desapareceu. Por que desapareceu? Porque ele ficava esperando a bola no pé para dar o último passe. Futebol não dá para jogar com jogador sem compromisso", disparou.

"Ele (Róger Guedes) tenta, mas eu preciso de uma resposta mais forte, uma resposta que diga: 'Estou aqui para lutar, para jogar 10 (minutos), 30, 90. Estou aqui para jogar na esquerda, na direita, no meio, onde for'. Para mim, tem que ser esse o espírito", finalizou.

Com o resultado deste domingo, o Corinthians vai a 14 pontos e continua como líder isolado do Brasileirão, com 2 pontos de vantagem sobre o Palmeiras.