<
>

Novela Mbappé: LaLiga pretende entrar com ação contra o PSG por violação de regras de fair play financeiro em renovação

LaLiga pretende entrar com ação contra o PSG por uma possível violação nas regras do fair play financeiro na renovação com Mbappé


LaLiga está considerando tomar medidas legais contra o Paris Saint-Germain pela renovação do contrato de Kylian Mbappé, disseram fontes à ESPN, depois que o atacante decidiu esnobar uma mudança para o Real Madrid e permanecer na França .

A ESPN informou neste sábado (21) que Mbappé informou ao presidente do Real, Florentino Perez, assim como ao técnico do PSG, Mauricio Pochettino e companheiros de equipe, que ele não deixaria Paris.

O atacante, que era amplamente esperado para se juntar ao Real Madrid quando seu contrato atual expirar em 30 de junho, agora, deve assinar um novo contrato de três anos com o clube francês.

Fontes disseram à ESPN que a LaLiga está estudando se deve denunciar o PSG pelo que eles acreditam ser uma violação das regras de fair play financeiro da Uefa, com uma decisão provável assim que o novo acordo de Mbappé for oficializado.

Neste sábado, o presidente da LaLiga, Javier Tebas, chamou a renovação de Mbappé pelo PSG de "um insulto ao futebol".

Tebas disse no Twitter: "O que o PSG vai fazer renovando Mbappé com grandes quantidades de dinheiro (quem sabe onde e como pagar) depois de registrar perdas de € 700 milhões nas últimas temporadas e ter uma folha salarial de mais de € 600 milhões é um INSULTO ao futebol. [O presidente do PSG, Nasser] Al-Khelaifi é tão perigoso quanto a Superliga".

Tebas tem sido um crítico aberto do PSG sob os proprietários Qatar Sports Investments – uma subsidiária do fundo soberano do Qatar – bem como do Manchester City, apoiado por Abu Dhabi, descrevendo seus modelos de negócios como “doping financeiro”.

Ele também atacou os controles FFP da UEFA como sendo inadequados.

"O que não é compreensível é que [o PSG] seja capaz de rejeitar ofertas como a que recebeu por Mbappé", disse ele em setembro passado, depois que o clube da Ligue 1 se recusou a vender o jogador para o Real Madrid na janela de transferências de verão.

"Os controles na França são falhos. Estão prejudicando o mercado europeu. O sistema da UEFA está errado. Estamos a ir na direcção errada".

Tebas e o presidente do PSG, Al-Khelaifi, tornaram-se aliados improváveis ​​em sua oposição à Superliga Europeia após sua tentativa de lançamento no ano passado.

Tebas descreveu o projeto como um "golpe de Estado" e "uma piada". O PSG recusou a chance de se juntar como um de seus 12 membros fundadores, com Al-Khelaifi liderando os esforços alternativos de reforma como novo presidente da Associação de Clubes Europeus.