<
>

Com Atlético-MG e Inter, grupo com 23 clubes buscará novo diálogo com Libra, mas não 'cederá fácil'; veja os bastidores

play
Rogério Ceni entra ao vivo no SportsCenter e conversa com Lugano sobre as polêmicas de São Paulo x Cuiabá (2:30)

Rogério Ceni e Diego Lugano conquistaram o mundo em 2005 com o São Paulo e se tornaram grandes amigos (2:30)

Reunião entre 23 times das séries A e B do Brasileiro aconteceu nesta segunda-feira (16), no Rio de Janeiro, e contou com a presença de duas empresas


Com a presença de representantes de Internacional e Atlético-MG, 23 clubes realizaram nesta segunda-feira (16), no Rio de Janeiro, uma reunião com as consultoras Alvarez & Marsal e LiveMode, para terem um estudo aprofundado a respeito das divisões de verbas em uma futura Liga do Brasil. O tema é motivo de discórdia entre o Forte Futebol e os 10 times que aderiram à Libra (Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Flamengo, Palmeiras, Ponte Preta, Red Bull Bragantino, Santos, São Paulo e Vasco).

O encontro contou com a presença dos seguintes clubes: América-MG, Athletico-PR, Atlético-GO, Atlético-MG, Avaí, Ceará, Coritiba, Cuiabá, Fluminense, Fortaleza, Goiás, Juventude e Internacional, da Série A, e mais Brusque, Chapecoense, CRB, Criciúma, CSA, Guarani, Londrina, Náutico, Operário, Sampaio Corrêa, Sport e Vila Nova, da Série B.

Segundo apuração da ESPN, Colorado e Galo entraram como "ouvintes" e "mediadores" do Forte Futebol. Além disso, foi formada uma comissão com seis participantes para a reunião futura com a Libra. Os integrantes são: América-MG, Atlético-MG, fluminense, Fortaleza e Inter, além da ANCF (Associação Nacional de Clubes de Futebol).

A reportagem apurou que a reunião foi bem vista pelos integrantes, que agora entendem de uma maneira mais técnica e aprofundada a divisão das cotas. A partir de agora, a ideia dos clubes é marcar uma reunião com os integrantes da Libra o mais rápido possível para que haja finalmente um avanço nos diálogos que permiuta a nova liga sair do papel.

Inicialmente, a Libra havia pedido que as cotas fossem divididas em 40% igualitárias, 30% proporcionais ao resultado esportivo e outros 30% equivalentes à audiência, presença em estádio e engajamento em redes sociais. Este grupo inicialmente queria que a divisão fosse 50-25-25.

No entanto, os dois lados conseguiram alcançar um acordo que o melhor formato seja o de com 45% de forma igualitária, 25% referente a resultado esportivo (posição na tabela de classificação) e 30% de acordo com audiência, que os times do Forte Futebol brigam para que não seja medida apenas com interações em redes sociais.

Outro ponto de atrito entre os dois grupos está na fatia dos recursos a ser destinada aos clubes que estão na Série B do Campeonato Brasileiro. A Libra inicialmente propôs 15%, enquanto outros clubes querem 20%.

A reportagem apurou ainda que a entrada de clubes como Atlético-MG e Internacional no grupo que antes era de 23 clubes foi muito bem vista pelos demais, que entendem que isso deixa o cenário ainda mais favorável para que as equipes da Libra cedam a novos pedidos e acordos favoráveis aos 40 times.

De acordo com apuração com fontes ligadas aos clubes do Forte Futebol, a Liga não sairá do papel caso não exista uma voz uníssona entre os 40 clubes. Se houver um dissidente, o acordo não acontecerá.

Papel da CBF

A princípio, toda a parte financeira ficará a cargo da Liga, sem que a CBF tenha jurisdição no tema. Por outro lado, os clubes entendem que a entidade conta com pontos positivos e poderá auxiliar na criação do campeonato na área de departamento de registros e o de competições, este para a montagem da tabela. A arbitragem também ficaria sob critério da confederação em um primeiro momento.

play
2:30

Rogério Ceni entra ao vivo no SportsCenter e conversa com Lugano sobre as polêmicas de São Paulo x Cuiabá

Rogério Ceni e Diego Lugano conquistaram o mundo em 2005 com o São Paulo e se tornaram grandes amigos

Próximos passos

A ideia do grupo de 25 clubes é levar uma contraproposta o mais rápido possível à Libra. De acordo com apuração da ESPN, uma reunião deverá acontecer entre esta semana e a próxima.

Haverá uma busca incessante por um acordo financeiro entre os 40 clubes e, apesar de estar disposto ao diálogo, o grupo de 25 clubes não irá "ceder em todos os pontos", conforme apurado pela reportagem.