<
>

São Paulo entra em acordo com STJD e evita gancho a Ceni que poderia chegar até 16 jogos

Treinador foi denunciado por conta da expulsão na partida contra o RB Bragantino pela 4ª rodada do Brasileirão


O São Paulo entrou em acordo com o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e evitou que o técnico Rogério Ceni pegasse um gancho que poderia chegar a 16 jogos.

Por conta da expulsão contra o Red Bull Bragantino, em partida válida pela 3ª rodada do Campeonato Brasileiro, o treinador foi denunciado pela procuradoria da entidade. Com o acordo, o Tricolor irá arcar apenas com uma multa.

Na partida, Ceni reclamou da atuação do quarto árbitro, Salim Fende Chávez, e o profissional pediu a Bruno Arleu de Araújo, árbitro do confronto, que advertisse o técnico do São Paulo.

O treinador negou que tivesse ofendido Chavez e pediu ao delegado da partida que explicasse sua versão sobre o cartão amarelo recebido.

Veja abaixo o que o árbitro relatou na súmula:

Por sair deliberadamente de sua área técnica, discordando e protestando com gestos na direção do 4º árbitro, sr. Salim Fende Chaves, proferindo as seguintes palavras: "Arbitragem caseira!". Informo ainda que, após a expulsão, o mesmo ficou rodeando o 4º árbitro, ocasionando um tumulto, oferecendo resistência para sair do campo de jogo e somente se retirando após auxílio de integrantes de sua comissão técnica

O STJD entendeu que Ceni infringia as condutas dos Art. 257 (participar de rixa, conflito ou tumulto, durante a partida, prova ou equivalente) e o do Art. 258 (assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código). Somados, os dois poderiam representar ao treinador uma pena de até 16 jogos.

A multa foi considerada pelo São Paulo a melhor alternativa. Isso porque, mesmo com uma possível desqualificação de conduta antidesportiva, Ceni poderia pegar quatro jogos de suspensão.

O São Paulo, com Rogério Ceni no banco, volta a campo neste domingo (15), às 16h, para encarar o Cuiabá, no Morumbi.