<
>

Na mira do Barcelona, joia do Grêmio fez mesmo tratamento de Messi para crescer e viu família vender tudo para ser jogador

Conheça a história de Breno Melo, meia da base do Grêmio que é observado pelo Barcelona


O Grêmio aposta alto em Breno Melo, uma das joias do time sub-17. Além de colocar uma multa rescisória de 40 milhões de euros (R$ 214 milhões) para times estrangeiros, o clube gaúcho ajudou a bancar um tratamento - semelhante ao de Lionel Messi no Barcelona - para que o garoto pudesse crescer e ganhar um físico mais robusto.

Era muito menor do que os outros. Ia jogar contra os moleques todos com barba na cara e 'pais de família' (risos). Não era possível! Mas eu dava meu jeito e me virava. O Grêmio percebeu que eu sabia jogar bola, mas só faltava tamanho”, disse o meia, ao ESPN.com.br.

Desde que começou o tratamento, Breno saiu de 1,48m para 1,65m.

“Eu fiquei meio boquiaberto quando soube que era o mesmo tratamento do Messi e fui pesquisar sobre isso. Pensei que era suave e bom para mim. Perguntei como iria funcionar, e eles responderam que eu teria que tomar injeções todo dia. Eu falei: ‘Não estão falando a minha língua, injeção não dá’. Porque sou muito bundão para injeção (risos). Minha mãe falou que isso ia me ajudar e que era para o meu bem. Os primeiros meses foram f***, mas agora está tranquilo”.

As doses dos medicamentos são aplicadas diariamente no jovem logo após o jantar.

A médica endocrinologista me disse que tenho ainda um bom tempo para crescer e dá para passar de 1,70m tranquilamente. Eu ganhei altura e ao mesmo tempo massa muscular. Infelizmente, já vi muitos jogadores serem mandados embora da base por altura mesmo tendo potencial. Isso pesou muito para eu aceitar”, disse.

Família vendeu tudo

Nascido em Londrina, o meia foi cedo com a família para Caieiras, na grande São Paulo. Após começar em um projeto social, o garoto não pensava em ser jogador profissional, mas começou a trilhar a carreira por incentivo do tio, que o recomendou para uma escolinha filiada ao Santos.

“Um dia teve uma peneira que fui aprovado e depois passei um tempo em avaliação no clube lá na Baixada Santista”, disse Breno.

Após sair de férias do clube alvinegro, ele voltou a treinar na escolinha até que chamou atenção de um olheiro do Grêmio, que o indicou para ficar uma semana em Porto Alegre.

“Fui aceito e os diretores conversaram com meus pais. Nós preferimos ir ao Grêmio porque recebemos mais incentivo”.

Aos 12 anos, Breno mudou-se para o Rio Grande do Sul. Primeiramente, ele morou em uma pensão com outros garotos por três meses. Depois, foi para um apartamento com os familiares.

“Meus pais tiveram que largar tudo em São Paulo. Eles venderam tudo, todos os móveis, pediram demissão dos empregos deles e vieram para cá na fé mesmo. Eles juntaram esse dinheiro e o Grêmio dava um valor para ajudar a pagar o aluguel de um apartamento. A gente não conhecia ninguém”.

“Foi difícil porque o tempo todo passava pela minha cabeça se isso iria dar certo. Se os meus pais não arrumassem trabalho, teríamos que voltar para casa. Eu via a preocupação, mas eles tentavam me deixar bem tranquilo para apenas jogar”.

Os pais de Breno tiveram que segurar as contas e ficaram por um tempo entregando currículos até conseguirem empregos e a situação melhorar. Atualmente, o pai do garoto é repositor de um mercado em Porto Alegre e tem um grande orgulho do filho.

“No começo, a adaptação foi bem difícil pelo frio, que é gigantesco, pela cultura e até pelo jeito de falar. Parecia que eu falava outra língua. Eu pedia pão na padaria e eles respondiam se queria um cacetinho (risos). Eu estudava em uma escola com todos os garotos do Grêmio e isso me facilitou demais para fazer amigos”, contou.

Observado pelo Barça

Com uma semana na base do Grêmio, Breno foi vice-artilheiro do Campeonato Três Coroas e passou a ser visto de uma forma diferente.

“Vivi anos muito importantes e felizes na base do Grêmio perto de pessoas que vou levar para a vida como amigos. Venci várias competições e jogamos fora do Brasil contra o Benfica e fomos campeões. Já enfrentamos também times argentinos, como Talleres e River Plate, que têm um estilo de jogo muito diferente do nosso”.

Fã de Neymar (PSG), Kevin de Bruyne (Manchester City) e Thiago Alcântara (Liverpool), Breno é um meia destro que gosta de driblar e usar a velocidade. “Sou um pouco habilidoso e piso bem na área, mas gosto muito de dar assistências”, confessou.

E o futebol europeu pode ser mesmo o destino do jogador no futuro. Desde o ano passado, ele soube que é observado pelo Barcelona. O empresário do jogador, Fernando Matos, já se reuniu com Deco, ex-jogador e agente, e o presidente Joan Laporta, que recebeu informações da joia. Atualmente, o contrato do jovem vai até 2024

“No momento estou muito focado no Grêmio. O Brasileiro sub-17 é muito importante para a minha vida. Jogar na Europa é uma meta e um sonho para o futuro. Eu quero antes disso me profissionalizar, fazer história e ganhar títulos para depois em alto nível, no auge da minha carreira, pensar em atuar na Europa. É uma satisfação e uma felicidade enorme ver que, pelo meu trabalho, as coisas estão acontecendo”.