<
>

Fórmula 1: Lewis Hamilton é vítima de ataques racistas; Mercedes e rivais se posicionam

Neste último domingo (18) o piloto da Fórmula 1 Lewis Hamilton lamentavelmente foi alvo de ataques racistas nas redes sociais após a vitória no GP de Silverstone, na Grã-Bretanha, na décima etapa do campeonato mundial de 2021. O britânico de 36 anos foi bastante criticado pela batida polêmica com Max Verstappen, ainda na primeira volta do circuito e que rendeu penalização de 10 segundos.

Insultos racistas, incluindo 'emojis de macaco' e outras ofensas, foram publicados como resposta a uma publicação da Mercedes nas redes sociais logo após a vitória de Hamilton, a oitava na história no GP da Grã-Bretanha. Como resposta ao lamentável episódio, a escuderia, ao lado da Fórmula 1 e da FIA (Federação Internacional do Automobilismo), emitiram um comunicado oficial exigindo uma ação contra os responsáveis pelo mesmo.

"Durante e após o GP da Grã-Bretanha, Lewis Hamilton foi sujeito a muitos ataques racistas nas redes sociais depois de uma batida durante a prova. A Fórmula 1, a FIA e a Mercedes condenam esse comportamento da maneira mais forte possível. Essas pessoas não têm lugar em nosso esporte e pedimos que elas sejam responsabilizadas pelos seus atos. A Fórmula 1, a FIA e os pilotos estão trabalhando para construir um esporte com mais diversidade e inclusão, e esses ataques online devem ser salientados e eliminados", diz o comunicado.

Além da Mercedes, outras equipes rivais também se manifestaram nas redes sociais em apoio ao piloto britânico, uma delas a própria Red Bull, escuderia de Verstappen. "Embora sejamos rivais na pista, estamos todos unidos contra o racismo. Condenamos ataques racistas de qualquer tipo contra nossa equipe, nossos rivais e nossos torcedores. Estamos enojados e tristes ao ver os ataques racistas sofridos por Lewis nas mídias sociais após a colisão com Max. Não há desculpa para isso, e certamente não há lugar para isso em nosso esporte. Quem estiver por trás disso precisa ser responsabilizado."

Além da Red Bull, as rivais Honda, Aston Martin e McLaren também se pronunciaram nas redes soiciais.

Hamilton foi considerado culpado pela batida com o holandês Verstappen, que após a colisão precisou ser encaminhado para o hospital para realizar exames. E mesmo com a punição de 10s dada ao britânico na corrida, ele se recuperou e saiu com a vitória.

Hamilton superou Charles Leclerc, que terminou na segunda colocação, e tirou 25 pontos de diferença para o rival holandês, que segue na liderança do campeonato mundial com 185 pontos, cinco vitórias e oito pódios na temporada.

O britânico vem logo atrás com 177 pontos, quatro vitórias e sete pódios. Em relação às equipes, a diferença no ranking é menor. Enquanto a Red Bull lidera com 289 na pontuação, a Mercedes vem logo atrás com 285.

A décima primeira etapa da temporada acontece apenas em agosto, em Hungaroring, no GP da Hungria, no primeiro dia do mês.