<
>

Ayrton Senna 60 anos: Como seria o ex-piloto na Fórmula 1 atual?

play
Em isolamento, Lewis Hamilton dá aula sobre lavar as mãos e manda recado (0:59)

Piloto britânico ressaltou a importância de levar o coronavírus a sério (0:59)

Um dos maiores pilotos da história, Ayrton Senna da Silva faria 60 anos neste sábado, se o fatal acidente em Ímola, em 1994, não tivesse tirado sua vida.

Senna morreu aos 34 anos, ainda no auge da carreira, mas já com marcas e recordes que o mantêm como patamar de grandeza no olimpo do esporte: 3 títulos mundiais, 41 vitórias, 65 pole positions e outros tantos momentos marcantes na memoria dos brasileiros e outros ao redor do planeta.

Infelizmente não vimos a conclusão de carreira que gostaríamos para o ex-piloto, mas é impossível não imaginar como seria ele pilotando na Fórmula 1 atual.

Os carros, mais rápidos e resistentes aos impactos, além de serem mais exigentes fisicamente, as novas pistas, e, principalmente, as novas regras. Como Senna se adaptaria a tudo isso?

O carro atual

Partindo da amostra que tivemos de Ayrton Senna como piloto, é difícil imaginar que ele se adaptaria ao carro da Fórmula 1 atualmente.

Os monopostos de hoje exigem um uso consciente e boas doses de poupar pneus, combustível e principalmente bateria. Senna tinha um estilo feroz, tirando o máximo do carro a cada volta.

Com as regras atuais, com número limitado de componentes do motor, talvez o brasileiro necessiataria de um longo período de adaptação.

O treino classificatório

Conhecido por ser um dos pilotos mais rápidos da história, possivelmente o melhor no sentido de tirar o máximo do carro, Senna provavelmente se daria bem no formato do treino classificatório atual.

Na sua carreira inteira, Senna fez parte do sistema que consistia em duas partes: treinos classificatórios na sexta e no sábado, e o pole position era o que tivesse o melhor tempo em qualquer uma das duas sessões.

No formato atual: treino apenas no sábado dividido em 3 partes, com os cinco piores sendo eliminados nas duas iniciais e o Q3 com dez pilotos brigando pela pole, Senna provavelmente sobraria.

Isso porque no sistema atual, os pilotos geralmente dão tudo do carro numa única volta no Q3, usando o máximo de potências de motor, pneus e modos de consumo de energia.

As regras

“No momento em que você vê um espaço e não tenta a ultrapassagem, você não é mais um piloto”.

A frase por si só já responde que Senna provavelmente teria diversos problemas com os comissários de pista atual.

Uma das principais críticas da Fórmula 1 atualmente é no rigor de punições, em que qualquer contato por tentativa de ultrapassagem gera pena de 5s, 10s ou às vezes “drive-through” aos pilotos.