<
>

F1: Prost chama documentário sobre Senna de 'falso' e diz: 'Poderiam ter contado uma história fabulosa'

play
No Bola da Vez, Barrichello mistura habilidades de três campeões mundiais para formar 'piloto perfeito'; veja quem são (0:47)

Ex-piloto de Fórmula 1 é o convidado do programa que vai ao ar neste sábado, às 23h, na ESPN Brasil e no WatchESPN (0:47)

Há quase dez anos, o diretor Asif Kapadia lançou o premiado documentário "Senna" sobre o lendário piloto brasileiro da Fórmula 1.

O filme passa por todas as fases da vida de Ayrton e relembra a rivalidade histórica com Alain Prost, seu companheiro de McLaren em 1988 e 1989.

Apesar da aclamação de crítica e público, o documentário recebeu críticas de quem acompanhou de perto as brigas entre os dois gênios das pistas, e o francês voltou a mostrar seu ponto de vista.

Em entrevista durante um evento no Teatro Olympia de Paris, Prost chamou a cinebiografia de "falsa".

"Eu guardo rancor do filme que foi feito. Eles poderiam ter contado uma história fabulosa, por causa do que aconteceu quando nós estávamos correndo e depois (da aposentadoria de Prost). O filme alega que a última mensagem de Senna 'Eu sinto sua falta, Alain' foi falsa. Bem, eu penso que o filme foi falso'", disparou.

O recado do brasileiro para o francês aconteceu exatamente naquele GP de San Marino de 1994, quando um acidente matou o tricampeão da F-1.

"Um oi especial para meu querido... nosso querido amigo Alain, na França. Nós todos sentimos sua falta, Alain", disse Senna.

Oficialmente, o diretor do documentário disse que questões técnicas impediram tal momento de ser incluído, mas para o francês tudo foi calculado para lhe colocarem como "vilão".

"É uma pena, porque na história dos esportes não existem tantas histórias como esta. Não era apenas uma história esportiva, era também uma história humana", definiu Prost.

A reaproximação dos rivais aconteceu no final da temporada 1993, quando Alain Prost conquistou seu quarto título: Senna puxou o francês para o lugar mais alto do pódio após o GP da Austrália e ergueu seu braço.

"Depois daquele pódio, Ayrton voltou a falar comigo. Ele me ligava uma, duas vezes por semana. Às vezes por nada, outras para um conselho. Isso durou até Ímola. Nós nos tornamos amigos e próximos. Foi o começo de um novo período que eu não pensava que fosse possível. Eu levo memórias incríveis disso", definiu.