<
>

Fórmula 1: os novos boxes de Interlagos para o GP Brasil que custaram R$ 38 milhões e 'não devem para ninguém'

"O box hoje não deve para ninguém."

A frase é de Vitor Aly, secretário municipal de infraestrutura urbana e obras da prefeitura de São Paulo. O autódromo de Interlagos passou por um longo período de reformas que começou em 2014 e agora, antes do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 deste fim de semana, está quase finalizado.

Só em 2019 foram investidos R$ 51 milhões com verbas públicas na estrutura do circuito, sendo R$ 38 milhões em alterações nos boxes.

“Com certeza, (Interlagos) não perde hoje com essas obras para nenhum outro autódromo que foi construído recentemente. O nosso é antigo, tem 80 anos, e mesmo assim está no mesmo nível”, garante Orlando Faria, secretário municipal de turismo.

Mas o que mudou nos novos boxes?

  • 1. Cobertura do Paddock

O paddock é o corredor que se encontra atrás dos boxes, onde as equipes e os organizadores possuem seus escritórios. Por lá, circulam todo tipo de profissional que participa da F1: engenheiros, mecânicos, pilotos, jornalistas e etc.

A partir de 2019, a área recebeu uma cobertura fixa com tecido laminado sintético sustentado por uma estrutura metálica. Ou seja, proteção contra a chuva para todos. Ou quase isso.

“Falta só mais um pedacinho, que é a cobertura da área de apoio, que a gente só não fez porque a obra foi num prazo muito pequeno”, justifica Vitor Aly. Ainda há um pedaço que precisa ser coberto e a obra está prevista para dezembro deste ano.


  • 2. Altura dos boxes

Os boxes também foram reformados para ficarem mais altos em cerca de 80 cm. O espaço extra trará mais facilidade para movimentar os equipamentos, o que era um pedido antigo das equipes de Fórmula 1. “Era uma dificuldade enorme”, admite Aly, comemorando a mudança.


  • 3. Divisórias removíveis

Antes, os boxes eram divididos por paredes de concreto. Não mais.

Agora, toda a estrutura é contínua e sem divisórias fixas. Dessa forma, ela pode ser utilizada como um só corredor, tornando-se um espaço multiuso.

“Interlagos deixa de ser apenas um espaço de eventos esportivos e automobilísticos. Pode ser também um centro de eventos e convenções”, explica Aly.

Na Fórmula 1, claro, cada equipe terá seu box. Isso é feito com divisórias removíveis, que permitem tamanhos personalizados para cada conjunto.


  • 4. Piso especial

Imagine ser um mecânico de Fórmula 1 e deixar uma peça de carro cair... Se o piso não for apropriado, encontrá-la pode se tornar um desafio e tanto.

Nos novos boxes de Interlagos, a superfície agora é de epóxi, um piso usado em indústrias que é resistente e de fácil lavagem. Além disso, a cor branca permite que se identifique com tranquilidade qualquer objeto que tenha sido perdido.


  • 5. Novas instalações elétricas

O Brasil utiliza uma voltagem diferente que o padrão europeu da Fórmula 1. No passado, as equipes precisavam de transformadores para utilizarem seus aparelhos eletrônicos nos boxes, uma vez que a tensão de Interlagos era de 110 volts.

Agora, as instalações elétricas foram refeitas e oferecem as duas opções de voltagem, adaptando-se ao evento, seja ele nacional ou internacional.


  • 6. Iluminação em LED

A iluminação dos boxes também foi trocada, proporcionando mais conforto e luminosidade para quando a luz do sol se esgotar.

“Temos toda a iluminação em LED, o que é importantíssimo para as equipes trabalharem de noite. Vão conseguir ver qualquer mancha de óleo, parte de parafuso, vão trabalhar como se estivesse de dia com uma lâmpada extremamente confortável para eles”, explica Vitor Aly.


  • 7. Portão elétrico

A garagem dos boxes abre sozinha! Pode não parecer o ápice da tecnologia, mas antes da reforma, ela era levantada “no braço”. Agora, o portão é automático.

“A porta do box tinha que ficar presa com caixa para não fechar, e tudo isso foi sanado”, se impressiona o secretário Municipal de Turismo, Orlando Faria.


Além dos boxes, houve também alguns investimentos na pista, a pedido da FIA. Foram adicionadas ranhuras na subida dos boxes para maior aderência, assim como alterações em áreas de escape e reparações em zebras.

O Grande Prêmio do Brasil de 2019 acontece entre esta sexta-feira e domingo. O treino classificatório é no sábado, às 15h, ao passo que a corrida será às 14h10 do dia seguinte.