<
>

F1: Vettel bate Leclerc nos boxes, vence em Singapura e encerra superjejum de 22 GPs

Sebastian Vettel, enfim, acabou com o jejum de vitórias. O alemão da Ferrari superou Charles Leclerc, parceiro de equipe, na primeira parada nos boxes, quando voltou à frente, e seguiu na ponta até vencer o Grande Prêmio de Singapura de Fórmula 1 neste domingo (22), 15ª etapa (de um total de 21) do Mundial de 2019.

Tetracampeão da catgeoria, o piloto passou 22 corridas sem saber o que é subir no lugar mais alto do pódio, tendo sido a última vez em 26 de agosto de 2018, na Bélgica.

É simplesmente o segundo maior jejum da carreira de Vettel, que antes, entre o fim de 2015 e todo o ano de 2016, ficara incríveis 27 GPs sem receber a bandeira quadriculada.

O alemão, que no sábado foi da euforia da quase pole para a frustração de largar em terceiro, atrás de Leclerc e Hamilton, viu o monegasco cruzar em segundo e o holandês Max Verstappen, da Red Bull, em terceiro.

Acabou a espera

Para o alemão levar o GP e chegar ao seu triunfo de número 53 na carreira, o quinto em Singapura, pesou o trabalho de boxes. Na volta 20, Vettel fez um pit-stop de 2s3; Leclerc, até então líder, parou no giro seguinte, teve o trabalho em 2s4, mas no tempo total entre entrada, parada e saída dos boxes, perdeu mais tempo que o companheiro.

Resultado, o alemão estava à frente quando o monegasco voltou à pista. Hamilton, que largou em segundo, assumiu a liderança até a volta 27, quando foi para o pit. Voltou em oitavo, com seu parceiro de Mercedes, o finllandês Valteri Bottas, em nono.

Haja safety-car

Pronto, Vettel assumiu a ponta e não a deixou mais, indo muito bem nas três relargadas após as três entradas necessárias do safety-car.

Safety-car que reina em Singapura. Agora, são 12 corridas no país, com fantásticas 20 aparições do carro de segurança na pista.

Ferrari feliz

Hamilton e Bottas ficaram apenas com as quarta e quinta posições – foi só a segunda vez na temporada que a Mercedes não ficou no pódio. Fecharam os dez primeiros colocados, nesta sequência, Alex Albon, da Red Bull, Lando Norris, da McLaren, Pierre Gasly, da Toro Rosso, Nico Hulkenberg, da Renault, e Antonio Giovinazzi, da Alfa Romeo.

Os resultados deste domingo são ótimos para a Ferrari. Primeiro, porque Vettel encerrou o superjejum; segundo, porque a última dobradinha conquistada pelo time italiano foi há dois anos, no GP da Hungria de 2017, quando o alemão e Raikkonen ficaram com a primeira e a segunda posições.

Além disso, a Ferrari não conquistava três vitórias consecutivas desde 2008, quando a dupla era Raikkonen e Massa - Leclerc ganhou os dois GPs antes de Singapura, que foram em Bélgica e Itália.

Curiosidade

Na volta 28, com Hamilton tendo ido aos boxes, Antonio Giovinazzi assumiu a liderança. Com isto, o piloto da Alfa Romeo tornou-se o primeiro italiano a liderar uma corrida desde Giancarlo Fisichella na Bélgica, em 2009.

Classificação

Após 15 etapas, o inglês Lewis Hamilton segue como líder do Mundial de Pilotos, com 296 pontos, seguido por seu parceiro de equipe, o finlandês Valteri Bottas, que soma 231. Em terceiro, estão o monegasco Charles Leclerc, da Ferrari, e o holandês Max Verstappen, da Red Bull, cada um com 200 pontos; Vettel é o quinto, com 194.

No Mundial de Construtores, a alemã Marcedes lidera com 527, a italiana Ferrari tem 324 e a austríaca Red Bull aparece em terceiro, com 289.

Agenda

O próximo GP será o da Rússia, em Sochi, já no próximo domingo, 29 de setembro, o que será a 16ª etapa (de um total de 21) do Mundial de 2019.