<
>

Sainz é assaltado após GP da Itália, mas pega ladrão e recupera relógio de mais de R$ 3 milhões

Carlos Sainz antes do GP da Itália de Fórmula 1 de 2023 EFE/EPA/CHRISTIAN BRUNA

O piloto Carlos Sainz, da Ferrari, foi roubado no último domingo (3), em Milão, horas após competir no GP da Itália de Fórmula 1.

O espanhol, porém, conseguiu correr atrás do ladrão e parar o criminoso, recuperando seu relógio de 500 mil libras (R$ 3,125 milhões) da grife Richard Mille.

O corredor, que ainda estava usando seu uniforme da Ferrari depois de deixar o circuito de Monza, foi atacado pelos meliantes nos arredores do Hotel Armani, em Milão.

De acordo com a imprensa italiana, Sainz, seu treinador e pedestres que viram o roubo perseguiram os ladrões e conseguiram pará-los.

Vídeos das câmeras de segurança mostram a polícia prendendo um homem, enquanto o piloto tenta recuperar o fôlego após correr atrás dos criminosos.

Esse é mais um caso de crimes envolvendo pilotos da F1 e relógios caros.

Em abril de 2022, quatro pessoas foram presas depois de roubarem o relógio de Charles Leclerc, companheiro de Sainz na Ferrari, em Viareggio. Na ocasião, os ladrões se passaram por fãs que queriam tirar uma selfie.

Já em 2021, após a final da disputa da Eurocopa entre Inglaterra e Itália, em Wembleu, o inglês Lando Norris, da McLaren, teve seu relógio afanado em Londres.

O objeto, que também era da grife Richard Mille, estava avaliado em 145 mil libras (R$ 906 mil).