<
>

Será que em 2022 voltaremos com eventos presenciais nos esports?

A volta dos eventos presenciais é muito esperado por todo o cenário Divulgação

Eventos lotados, times com torcidas apaixonadas, investimentos pesados. Em 2019 os esports viviam o seu auge no mundo do entretenimento competitivo no Brasil. Grandes finais já haviam acontecido em estádios e até tinham se tornado um lugar comum.

Aí chegou 2020. O ano que tinha tudo para ser o ano dos esports, foi abalroado com a pandemia global.

A Riot estava de vento e popa com o CBLoL, a Garena voava baixo com a LBFF alcançando audiências surreais e a Ubisoft vivia uma popularidade jamais vista com o Brasileirão de Rainbow 6. Além dessas três grandes publishers, a NFA e a BBL se mostravam promissoras com seus eventos.

Todas essas empresas tinham planos para expandir os esports no Brasil. Ouvia-se boatos nos bastidores sobre eventos gigantescos nos quatro cantos do país, mas, acertadamente, esses planos foram postos de lado devido a pandemia.

Hoje, com a vacinação chegando a todos os adultos, já estamos vendo os esportes tradicionais ensaiando o retorno aos estádios, as restrições sendo relaxadas e já temos um vislumbre do retorno do convívio social.

No futebol, foi revelado que a prefeitura do Rio de Janeiro liberou a presença de público no Maracanã para a partida entre Flamengo e Grêmio. Em São Paulo, já são cogitadas a presença em eventos, como a Formula 1.

E agora me pergunto: em que pé os esports vão voltar para 2022?

É difícil saber. Em todas as conversas que tive, o que mais ouço é: cautela. Ninguém está querendo correr riscos desnecessários, seja por conta da variante Delta do Covid-19, seja pelo medo de como o público vai receber uma notícia de uma retomada mais arrojada.

Conversei com diversos organizadores de torneios e muitos deles estão esperando as autoridades darem mais detalhes sobre os planos de retomada.

Entretanto, o público já está percebendo que, pelo menos no lado da apresentação dos eventos, as coisas estão aos poucos voltando ao normal.

Talvez os casos mais notórios sejam os eventos da Ubisoft, que vem trazendo seus apresentadores e equipe técnica para estúdio desde março e que não teve consequências sérias com os presentes em suas instalações.

Expando isso para o CBLoL, que aconteceu no último sábado no Pão de Açúcar, Rio de Janeiro, e que teve a concentração de dezenas de pessoas no cartão postal carioca para realizar o evento

A grande final da Copa NFA também foi bastante ousada, que foi realizada no último dia 5 com os apresentadores e os times atuando na Arena BlueStacks, em São Paulo, com mais de 50 pessoas envolvidas.

E, até onde se tem notícia, todos os presentes que estiveram nestes torneios passam bem.

Claro, para se ter 100% de certeza de que todos estão saudáveis é necessário esperar mais alguns dias e novos testes serem realizados.

Agora vem a pergunta crucial: quando é que vamos voltar a ver nossos times do coração farpando os seus adversários ao vivo?

Esperança no fim do túnel

Um artigo publicado na revista científica JAMA (Journal of the American Medical Association) aponta que, caso o ritmo de vacinação continue como é hoje, o cenário mais provável para 2022 é que o ano seja de coabitação com o vírus, ou seja, ainda vamos conviver com casos de Covid, porém em números menores de infectados e menos riscos de morte, assim como já acontece com diversas doenças como varíola e gripe.

É importante ressaltar que, para voltarmos ao “normal”, todos os adultos e jovens precisam ser vacinados.

Os organizadores de torneios, clubes de esports e atletas estão atuando em campanhas de conscientização para seus torcedores, falando sobre a importância de se imunizar contra essa doença.

Isso é de suma importância para responder a pergunta que deixei logo acima. O momento exato ainda é incerto, porém, os boatos de retomada de torneios presenciais estão voltando aos poucos.

Espera-se que a Arena Battle Royale do Pacaembú, dedicada apenas aos esports, seja inaugurada entre outubro e novembro e boatos dizem que sua estreia será em um evento controlado, como aconteceu na Copa NFA.

Até mesmo a On E-Stadium, a primeira arena dedicada aos esports de São Paulo, está ansiosa para a retomada de suas atividades - atualmente o centro de esports abriga times como centro de treinamento provisório, como o Flamengo. Anteriormente o centro era cogitado para receber as rodadas do Brasileirão de Rainbow 6 com direito a torcida.

Porém, antes de dar esse passo adiante, precisamos lembrar que esta doença é grave e ainda hoje está tirando os nossos jogadores dos servidores, como aconteceu recentemente com Boltz, que vai desfalcar o MIBR na BLAST Premier Fall Groups.

O fato é: os planos para a retomada já estão em andamento e tudo indica que em 2022 vamos voltar a ver os eventos de esports como sempre vimos, com jogadores e comissão técnica em em estúdio, sem pausas por queda de conexão e todo apoio dos organizadores de torneio para que as partidas aconteçam sem maiores problemas técnicos.

Agora se eles serão concretizados, só depende de como nossa população estará protegida contra essa terrível doença.