<
>

Wild Rift: Escolhemos 5 celulares antigos e baratos para você jogar Wild Rift

Wild Rift é a versão de League of Legends para dispositivos móveis Divulgação/Riot Games

Na última semana, o famoso LoLzinho saiu das telas do computador e foi parar na tela de celulares ao redor de todo o mundo com o League of Legends: Wild Rift. Disponível tanto no sistema Android quanto no iOS, a versão para dispositivos móveis do título era esperada há muito. O hype era real.

Assim como o Free Fire também faz, a versão mobile do MOBA da Riot Games busca expandir o público que alcançou através do League of Legends e introduzir seu universo dentro das telinhas de um celular, tornando-o mais acessível para uma nova gama de usuários - principalmente para comunidades mais carentes.

Visando abranger todos os tipos de usuários, desde aqueles com um celular top de linha, até aqueles com um não tão forte assim, cada vez mais a empresa responsável pelo notório título começa a expandir seus horizontes.

Terceiro jogo lançado em menos de um ano pela empresa, a ideia é quase que dividir para conquistar; deixar um pouco de lado aquele pré-requisito de que, para conseguir desfrutar de League of Legends, seja necessário um bom computador.

De uma forma mais inclusiva, a intenção é dar oportunidade para que todos aqueles que queiram ser introduzidos ao universo do jogo possam e não só isso, replicar o sucesso construído ao longo dos anos no competitivo com sua versão “oficial” e trazê-la ao âmbito mobile.

"O objetivo é fazer do Wild Rift o melhor esport mobile. Para isso, queremos saber das necessidades tanto da base de jogadores enorme que já temos em todos os nossos jogos quanto da infraestrutura que já possuímos e tomamos decisões baseadas nisso", comenta Ben Forbes, líder de comunicação de League of Legends Wild Rift.

Os requisitos mínimos para que o jogo rode nos celulares são simples. Para os dispositivos Android é necessário um sistema operacional Android 5 ou superior, com 2GB de RAM, processador Quad-core de 1,5 GHz (32 bits ou 64 bits) e uma placa de vídeo Mali-T860.

Já nos celulares da Apple, os requisitos mínimos são um sistema operacional iOS 10 ou superior, apenas 1 GB de RAM, processador Dual-core de 1,4 GHz (Apple A8) e placa de vídeo PowerVR GX6450.

Apesar de rodar em celulares com um modelo mais simples, não são todos que conseguirão entregar toda a experiência ao usuário. Por isso, separamos uma lista de celulares antigos ou de entrada que rodam o Wild Rift. Veja:

Samsung Galaxy A01

Para os fãs da empresa sul-coreana, o Samsung Galaxy A01 é talvez a melhor opção entre os dispositivos que tem um preço que caiba no bolso. Modelo de entrada por volta dos R$ 600 reais, o A01 conta com especificações como um processador Octa-core (4x 1.95 GHz Cortex-A53 & 4x 1.45 GHz Cortex A53), 2 GB de RAM e com um Adreno 505 como unidade de processamento gráfico.

Motorola G6

Queridinho da galera que não pode se dar ao luxo de gastar muito em um celular top de linha, os Moto Gs da Motorola são uma boa opção. O modelo de 6ª geração dessa linha é um dos mais indicados: conta com um Adreno 506 como GPU, um processador Octa-core de 1.8 GHz e tem um giga de sobra na memória RAM, com um preço de R$1.139,00.

iPhone 6 Plus

Se você é fã dos smartphones da Apple, o iPhone mais barato para jogar Wild Rift é o 6 Plus, que ainda sim custa muito mais que os outros modelos dessa lista mas encontra-se fora de linha. Com um processador Dual-core 1.4 GHz, 1 GB de RAM e uma PowerVR GX6450 como GPU, dentro do catálogo disponível de celulares da gigante americana, o modelo lançado em setembro de 2014 é o primeiro a possuir o mínimo necessário para rodar o MOBA.

Asus ZenFone Max Plus (M2)

Entusiasta da Asus mas não tem o cacife necessário para investir em um aparelho mais robusto como o ROG Phone? Então a linha Zenfone pode ser sua aliada. Adreno 506 na GPU, oito núcleos de 1.8 GHz e 3 GB de RAM são as especificações que acompanham o modelo ZenFone Max Plus (M2) da empresa vendido na faixa de R$1.200, o suficiente para rodar o Wild Rift tranquilamente.

Redmi Note 8

Saindo um pouco da curva de preço e subindo um pouco mais para a casa dos R$1.300, o Note 8 da chinesa Xiaomi é uma boa pedida para aqueles que podem se dar o luxo de investir um dinheiro a mais. Lançado em meados de 2019, o smartphone terá tudo o que você precisa com 4 GB de RAM, além de um Adreno 610 no lugar da GPU e um processador Octa-core.