<
>

Valorant: CeV e frz comentam sobre preparação para as semifinais do Masters

play
Treinador da paiN Gaming fala sobre mudanças para a semifinal do Masters (2:56)

CeV fala sobre dificuldades que passaram com as mudanças na equipe (2:56)

Os confrontos das semifinais do Valorant Masters brasileiro estão definidos. No segundo jogo deste sábado (20), a paiN Gaming enfrenta a Vikings de Sacy para definir quem avança para a grande final contra a vencedora entre Gamelanders e FURIA.

Ambas as equipes terminaram o último fim de semana com o placar de 2 a 1 contra suas adversárias. Na primeira partida daquele domingo (14), paiN e Vorax se enfrentaram em um dos confrontos mais esperados. Reedição de um clássico do LoL, agora no Valorant.

Novamente a vida bateu na Vorax. Krain não pôde jogar por conta de problemas de saúde e a equipe teve que jogar com um substituto: Tockers (sim, aquele do LoL). Mesmo sem o time completo, a vontade de ganhar estava lá no alto e levaram o primeiro mapa de maneira extremamente convincente, no entanto, a série desandou ao ver a paiN reagir.

“Foi dentro do esperado, a gente tinha muita confiança nos mapas que estavam sobrando que eram Haven e Split. Estávamos com muita confiança e saiu tudo certo, acredito que conseguimos manter a calma, principalmente no primeiro mapa e depois levar os outros dois”, avalia CeV, técnico da paiN Gaming, sobre o jogo contra a Vorax em entrevista ao ESPN Esports Brasil.

Foi tudo muito básico, tudo muito “bruto”... mas deu certo. A razão para isso era simples: a equipe vinha de mudanças no elenco e ainda precisava criar uma sinergia. Agora que chegaram em um ponto que consideram adequado, a equipe aproveitou a semana para aprimorar certos pontos.

“A gente tinha tudo que é ‘bruto’ de um mapa e a gente fez isso para pegar um pouco de teamplay. Então a gente tentou deixar o mais bruto possível e essa semana estamos usando para lapidar algumas coisas (...) Nosso planejamento foi esse, trazer algo mais padrão, que estamos acostumados a jogar, e inovar agora daqui pra frente”, conta CeV.

Nos mapas seguintes, a calma se instaurou. Viraram o placar levando os dois mapas seguintes, garantiram seu lugar nas semifinais e abriram espaço para a Vikings fazer o mesmo contra a Sharks na série seguinte.

Susto no primeiro mapa. 13 a 4 incisivo dos tubarões na Haven no primeiro jogo da série, mas logo viram os Vikings cravando seus machados e voltando nos seguintes. “A gente sabia que Haven é um mapa muito forte deles, provavelmente o mais forte, e viemos com uma composição diferente para tentar surpreender, mas não deu muito certo”, conta frz, jogador da Vikings, em entrevista ao ESPN Esports Brasil.

Ciente da previsibilidade das estratégias da equipe no mapa e deixando claro que a Vikings “pretende mudar um pouco nossa estratégia” no mesmo, o psicológico estava forte e bem preparado.

Nem parecia que o placar anterior tinha sido tão elástico. Perderam o primeiro mapa de forma dominante e devolveram nos dois seguintes: Ascent por 13 a 4 e Bind por 13 a 7.

“Em relação aos outros mapas a gente já tava mais confortável, são mapas que a gente tinha mais confiança. Não tomamos o baque no primeiro mapa, sabíamos que era o mapa forte deles, mantivemos a cabeça no lugar, resetamos a mente e fomos para os próximos jogos”, comenta frz com calma.

Também de virada, a equipe de frz foi a segunda equipe do domingo a garantir o avanço para as semifinais e começou a se preparar para o confronto contra os Tradicionais da paiN pela vaga na finalíssima.

AS SEMIFINAIS Não é a primeira vez que paiN e Team Vikings se enfrentam. Durante a primeira fase dos qualificatórios para o Challengers, as equipes se enfrentaram em uma partida dominada pelos Vikings. Mas naquela época, a paiN era outra.

Estavam se adaptando a mudanças e não contavam com os jogadores em suas melhores funções; ainda precisavam se encontrar. Aprendendo com suas derrotas, a paiN chega para o confronto totalmente renovada e diferente daquela do primeiro confronto.

“O meu time é um time que aprende muito com derrota, analisando aquilo que a gente errou. Sem dúvida nenhuma o que a gente vai fazer agora contra a Vikings vai ser completamente diferente, não vai ser um jogo tranquilo, mas vamos lutar até o final pra conquistar essa vaga na final”, observa o treinador da paiN.

Do outro lado, a Vikings chegou para o primeiro confronto do último fim de semana sem mostrar muitas novidades em questão de agentes e mapas - com a mudança mais gritante sendo na Haven.

Para o confronto contra a paiN, frz deixa no ar a possibilidades da equipe surpreender: “Não vou falar se tem ou não, mas pode ser que apareça alguma coisa nova para os confrontos de sábado e domingo”.

DE OLHO NA GRANDE FINAL Sem favoritos, a partida pode ir para qualquer uma das equipes, que se enfrentam em uma série melhor de três neste sábado, logo após o jogo entre Gamelanders e FURIA.

Enquanto de um lado CeV revela que, caso passe para as finais, a paiN gostaria de enfrentar a Gamelanders para ter “uma revanche” da final que perderam no First Strike, frz não possui preferência.

No entanto, acredita que a Gamelanders seja a escolhida por ser “um time que se provou no ano passado por ser o melhor time do Brasil, e provavelmente ainda ser considerado um dos melhores”.

As partidas das semifinais do Valorant Masters brasileiro serão transmitidas através dos canais oficiais da Riot Games.