<
>

Bandeira de Hong Kong é substituída pela chinesa em nova coletânea da Capcom

play
'Coldzera meu deu várias dicas e me preparei por 2 anos para entrar bem no mercado', revela Casemiro (4:55)

Jogador do Real Madrid fala sobre como surgiu a ideia de criar uma organização de esports (4:55)

A Capcom promoveu algumas mudanças no Super Street Fighter 2 Turbo presente em uma nova coletânea de jogos clássico, a Capcom Arcade Stadium. No jogo de luta, lançado originalmente em 1994 e disponível agora na coleção para Nintendo Switch, a empresa japonesa substituiu a bandeira de Hong Kong pela chinesa na tela de seleção de personagens.

Ao escolher o personagem Fei Long, lutador nascido em Hong Kong, o jogador vê agora a bandeira vermelha com estrelas amarelas e não mais a azul, que mostrava o símbolo do Reino Unido e um brasão. A intenção da mudança é evitar conflito com o mercado chinês.

Tal tipo polêmica relacionada à Hong Kong não é novidade. Recentemente tivemos o caso do jogador profissional Blitzchung, de Hearthstone, suspenso de competições por manifestações de apoio à Hong Kong. Há os casos de Animal Crossing: New Horizons, que em 2020 se tornou um “palco virtual” para manifestações de jogadores em favor da região, e o jogo de terror Devotion (2019), boicotado pelos jogadores chineses por conter críticas ao líder chinês, Xi Jinping.

O MOTIVO

Hong Kong é atualmente uma região administrativa especial sob o controle da República Popular da China. No passado, o Reino Unido ocupou Hong Kong durante a Guerra do Ópio (1839–1842) e a China entregou o local aos britânicos por um prazo de 99 anos a partir de 1898.

Em 1997, com o final do acordo, Hong Kong voltou à China continental, mas sua situação era bastante diferente da realidade chinesa. Enquanto a China passou boa parte do século XX sob o comunismo, Hong Kong foi um ponto capitalista alinhado com o Ocidente. Com a volta da região ao comando de Pequim, começaram as manifestações contrárias à anexação da Hong Kong por parte da China.

E TEM MAIS...

Há outra mudança na coletânea, presente em Street Fighter 2: Champions Edition: a remoção do símbolo do “Sol Nascente” do cenário de E. Honda, lutador japonês.

Para muitos países do leste asiático, o “Sol Nascente” segue como um símbolo do imperialismo japonês, atrelado à Segunda Guerra Mundial, quando o Japão imprimiu uma forte ação expansionista nos países vizinhos. Agora, no fundo do cenário onde há um painel, ficaram a imagem do monte Fuji e de um ator kabuki.