<
>

Gamers na melhor idade: Eles se aposentaram para jogar videogame - e até virar pro players

play
"Quando chegou essa oportunidade eu nem acreditei", desabafa Honda sobre ida ao time principal da FURIA (2:52)

O brasileiro também reflete sobre como está sendo jogar contra os melhores times do mundo (2:52)

O mundo dos games é repleto de surpresas e pessoas que são diferentes estão unidas por uma única razão: o amor aos jogos. E não existe idade para jogar, por mais que - antigamente - todos gostassem de falar que "videogame é coisa de criança”, mas não é.

Ainda bem que estamos mudando a realidade do cenário gamer e, cada vez mais, aumentando a inclusão nele. É muito importante não desistir e continuar lutando por isso, continuar apoiando causas que merecem respeito e espaço.

FALANDO EM IDADE

Hoje em dia quase não se ouve mais a famosa frase alegando que videogame era apenas para crianças. E o Silver Snipers também deixou bem claro para o mundo de um tempo para cá que essa frase é totalmente sem sentido.

Com um elenco formado por players com mais de 60 anos, os integrantes do SS viajam o mundo inteiro para enfrentar outros times em diversos campeonatos.

Formado na Suécia, o Silver Snipers é um time profissional de Counter-Strike: Global Offensive que conta com uma equipe mista sendo três homens e duas mulheres.

Para todos eles, jogar CS:GO era apenas um hobby, mas se tornou algo mais quando formaram o time e tiveram como treinador o famoso Tommy “Potti” Ingemarsson, membro e fundador do time Ninjas in Pyjamas. Atualmente, seu treinador é Frederik “Jaegarn” Andersson.

O time participou de eventos como o DreamHack 2017 na Suécia, o Eurogamer em Porto e o Paris Games Week em Paris.

VELHA GUARDA DOS GAMES

Não é preciso ir muito longe para conhecermos jogadores mais velhos, como exemplo do Vô Corvo, que tem 63 anos e é professor de viola caipira, mas faz streams regularmente jogando League of Legends, onde é main Trundle.

Temos também a Tia Raquel, que é mãe da Renata “reehplayss” Bagnato, player e comentarista de CS:GO. Ela comentou que “conheci o CS:GO quando a Re começou a jogar, comecei a acompanhar ela em eventos e eu curti tanto aquilo, sabe? A energia que um evento presencial passa é muito legal! Desde então, sempre que tinha algum evento presencial a gente dava um jeito de ir”.

Tia Raquel joga CS:GO e consome conteúdo do jogo, acompanhando campeonatos sempre que possível. Ela também tem um canal na Twitch, onde fez algumas lives jogando.

“Por enquanto, a gente tá só com um PC, e a Re o usa pra streamar e trabalhar, então eu estou sem fazer stream, mas estamos com planos para comprar outro PC em breve e aí eu quero sim voltar com as streams, porque achei muito legal. E o povo que me assistia, que não era muito né, era super legal, eles falavam bastante comigo no chat”, disse Tia Raquel.

Ela também comentou como foi bacana jogar a primeira vez com a filha no Mix Femme, evento que aconteceu em 2018 quando elas viajaram para São Paulo para fazer um “Corujão” na Max 5. “Eu nunca tinha ido numa lan house… eu achei muito legal! E aí a gente fez o corujão e passou a madrugada inteira jogando, aí as meninas sortearam os times e a Re caiu no meu time. A gente nunca tinha jogado juntas porque temos um PC só em casa, então fica difícil, mas foi muito legal poder jogar com ela assim.”

E é essa união de mãe e filha que a motiva cada vez mais a continuar acompanhando. A união que os games podem trazer a famílias é gigantesca. É bom ser e estar presente na vida do seu filho, seja apoiando ou jogando com ele.

Também temos o canal GrndPaGaming na Twitch, onde o aposentado de 68 anos joga diariamente jogos de FPS como PlayerUnknown’s Battlegrounds e mais recentemente Valheim.

E que tal Shirley Curry, uma senhorinha de 85 anos mestra de RPG, principalmente em The Elder Scrolls? Ela também posta vídeos diariamente no seu canal no Youtube e tem mais de 900 mil inscritos. Em entrevista para a CBS News, ela contou que encorajou seus amigos a jogarem também. “Algumas pessoas disseram que se sentiam muito velhos para jogar e eu os encorajei, e depois disso, eles me agradeceram e falaram que eu os ajudei a se abrir para os games”.

JOGOS SÃO PARA TODOS

É excelente que tenhamos essa diversidade de pessoas envolvidas com games porque, cada vez mais, estamos aumentando a inclusão nesse cenário. Mostrar para todo mundo que não existe idade, raça, gênero ou regionalidade para jogar.

Hamako Mori, também conhecida como “Vovó Gamer” é a gamer mais velha do mundo, tendo até um espacinho no livro de recordes do Guinness World Records. Entre seus jogos favoritos, ela destaca Grand Theft Auto.

Em um comunicado do Guinness World Records, Mori declarou que “depois de ter jogado tantos anos, sinto mais do que nunca que jogar videogames por tanto tempo foi a escolha certa.”

E se engana quem pensa que isso é apenas por diversão. Diversas pesquisas já mostraram melhora no desempenho para as demandas cognitivas e motoras em idosos, além do - em alguns casos - aumento de condicionamento físico, força, equilíbrio e autoestima. O que poderia ser melhor do que cuidar da saúde e se divertir no processo?

Julia Macalossi é apaixonada por games e esports e colunista no ESPN Esports Brasil. Siga-a no Twitter e Instagram.