<
>

Vestindo o capacete: O caminho da Imperial até o VALORANT First Strike

play
Riot comenta diretrizes de esports que farão parte de seu novo FPS (3:07)

Valorant ainda não foi lançado, mas empresa já fala sobre suas competições e os pilares que irão guiar o cenário (3:07)

O classificatório fechado do First Strike trouxe muitas histórias, quebra de recordes e surpresas nos resultados. Uma delas foi a chegada do atual time da Imperial, que eliminou uma das principais favoritas à classificação, RED Canids.

Conhecidos “das rankeds da vida” e de times que jogaram juntos, Biscoit1n, Evilkyk, Tuyz, Txddy, rst e phonics (coach) a pouco mais de um mês atrás formaram a Mix para competirem juntos - e chegarem ao First Strike.

Em entrevista à ESPN Esports Brasil, João Victor “Biscoit1n” conta sobre o caminho da equipe até a classificação no primeiro campeonato oficial da Riot Games, além de falar sobre a contratação da Imperial e das expectativas para o campeonato.

PREPARAÇÃO PARA OS QUALIFICATÓRIOS

Tendo sua estréia no Esportsmaker Spike Series em outubro - no qual foram derrotados na grande final pela Fusion Fraggers -, o grupo de amigos marchou em direção ao primeiro campeonato oficial da Riot: o VALORANT First Strike.

Chegando como uma novidade aos espectadores, a nova formação do elenco exigiu que os jogadores dessem tudo de si durante os treinamentos para poder ter uma chance contra as equipes já consolidadas e com maior entrosamento presentes nos qualificatórios.

“A gente treinou muito. Estávamos treinando entre as 16h até as 22h com uma ou duas pausas e sempre analisando jogadas e demos juntos. A gente deu a vida para chegar onde chegamos”, comenta Biscoit1n.

No pouco tempo que tiveram para se preparar para as partidas do mais importante campeonato do ano, o líder da equipe confessa sobre a preferência em treinar com times “menores” por estimular a criatividade dentro de jogo e aprender coisas novas que não aprenderiam jogando com os times mais notórios.

“Treinamos muito com alguns times do tier 1, mas preferimos treinar com os times do tier 2 e 3. A gente acabou preferindo treinar com eles porque querendo ou não eles são um pouco mais criativos e não tem um “padrão”, então tem muita coisa nova que você vai aprendendo com eles e você pode pegar e aplicar, adaptar e melhorar”, revela.

A HISTÓRIA DOS UNDERDOGS

E não deu outra. O resultado dos treinos veio durante a terceira qualificatória aberta do campeonato, onde elenco garantiu a participação na grande decisão dos participantes do First Strike após passarem por cima da FTH e da Real Esports.

Última partida, do último dia, do último qualificatório.

Chegando como underdogs na partida contra uma RED Canids faminta por uma vaga no presencial, não é exagero dizer que as fichas não estavam a seu favor tendo em vista o desempenho da equipe liderada por Sacy nos torneios anteriores.

“A real é que a gente já tinha treinado contra eles e eram partidas bem parelhas. A gente entrou no server com esse pensamento de que íamos jogar de igual para igual”, explica.

Sem abaixar a cabeça para os jogadores da matilha, a famosa vitória dos underdogs que tanto encanta os espectadores de competições ao redor do mundo aconteceu. Em uma MD3 com os dois primeiros mapas disputados, a equipe recém formada garantiu a ida ao First Strike após fechar a série com um impressionante 13 a 1 no mapa Split.

“Eu não sei como aconteceu, mas aconteceu e foi realmente uma surpresa. A Split deles é uma das mais fortes do Brasil e a gente esperava um jogo muito mais pegado, mas acho que aconteceu alguma coisa que o pessoal desligou e não conseguiu voltar para o game”, relembra.

VESTINDO O CAPACETE

Com a notoriedade alcançada pelos jogadores após a vitória, eles não só chamaram atenção de pessoas envolvidas no cenário competitivo, mas também de organizações interessadas em entrar para o mesmo.

Quatro dias após a classificação para o First Strike, os jogadores estavam de casa nova. Hoje os jogadores representam a Imperial, presente também no cenário de CS:GO, e se encontram na gaming house da organização para se prepararem para o evento.

“A gente acreditou no trabalho da Imperial, pela infraestrutura e pelo que a gente conversou com a rapaziada. Então estamos com eles agora não só para o First Strike, mas também para representar a organização como um todo no futuro”, crava o jogador.

EXPECTATIVAS PARA O FIRST STRIKE

Em sua primeira partida no campeonato, o elenco enfrentará a paiN Gaming - umas das favoritas para levar o título.

Com a chegada de Veroneze, que jogou no lugar de Ole durante a classificatória aberta e substituiu Murizzz em sua função, Biscoit1n acredita ser “muita responsabilidade para o Veroneze e a gente vai tentar trabalhar nisso”.

Caso ganhe da paiN no dia 4 de dezembro, a equipe avança na chave e enfrenta o vencedor entre Vorax (antiga Fusion Fraggers) e Havan Liberty que também será decidido no mesmo dia.

Apesar do caminho árduo e mirando o topo da tabela, o jogador mantém o respeito pelos adversário e afirma que “a equipe está bem preparada para jogar presencialmente”.

“Sabemos que é um caminho difícil e de todos os campeonatos que participamos, nunca pegamos uma chave fácil. A gente sempre chegou como underdog, mas sabemos o quanto estamos trabalhando e se esforçando para chegar pelo menos top 3 ou top 2”, finaliza confiante.