<
>

NFL: EA reconduz Colin Kaepernick à Madden

play
Rômulo analisa pedido de desculpas de comissário da NFL a Kaepernick: 'Foi sincero ou oportunista? O legado dele depende da postura a partir desse momento' (1:51)

Com movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam), liga de futebol americano mudou sua postura pública (1:51)

A EA Sports anunciou nesta terça-feira a volta de Colin Kaepernick à franquia Madden. O Quarterback está fora da liga desde 2016 quando passou a protestar contra desigualdade e brutalidade racial durante a execução do hino dos Estados Unidos antes das partidas da NFL. Colin acusa a NFL e os donos das equipes de boicote.

No anúncio feito nessa terça em suas redes sociais, a EA diz que “Madden é um lugar que deve refletir o posicionamento e o talento de Colin”, que o jogador “é um dos melhores agentes livres em sua posição” e que deseja “empoderar nossos fãs a expressarem suas expectativas para o futuro do futebol.

Escolhido no draft de 2011 pelo San Francisco 49ers, Colin levou o time à disputa do Super Bowl XLVII. A partir de 2017, na temporada seguinte ao início dos seus protestos, o jogador não tem defendido nenhuma equipe na liga e feito parte do banco de jogadores de Madden. Por outro lado, se tornou um dos expoentes dos movimentos contra o racismo em seu país.

Em Madden 21, o jogador é um agente livre com classificação 81 em seu rating geral. O QB pode ser uma opção no modo Franchise ou no modo Play Now, para partidas avulsas.