<
>

LoL: Equipes do Vietnã não participação do mundial de 2020; dizem fontes

play
Nyvi Estephan comenta representatividade feminina e brasileira nos esports (6:13)

Apresentadora de esports foi reconhecida internacionalmente nos Esports Awards em 2019 (6:13)

Os dois representantes da liga de League of Legends do Vietnã não participarão do mundial de 2020, que começa em Xangai (China) em 25 de setembro. Segundo fontes do ESPN ESpors, o motivo seria a preocupação de jogadores e funcionários não poderem reingressar ao Vietnã se partirem para a China, devido as precauções com o novo coronavírus (COVID-19) no país.

A notícia foi dada inicialmente pelo site vietnamita Gamek. Os playoffs da etapa de verão do Vietnamese Championship Series estão em andamento com a decisão da chave dos perdedores entre EVOS Esports e GAM Esports, marcada para quinta-feira (03). A Team Flash já está na a grande final e seria uma das classificadas para o mundial de LoL pelo Vietnã.

Até o momento, a Riot Games não deve substituir as equipes vietnamitas e organizar um torneio de 22 equipes, em vez de 24 como planejado. A Riot não respondeu a um pedido de comentário.

Atualmente, o Vietnã possui uma vaga para a etapa principal do mundial e uma vaga para fase preliminar (Play-in) com base no desempenho internacional nos últimos anos. Como a saída do mundial afetará a classificação vietnamita em eventos futuro ainda é incerto.

A pandemia do coronavírus afetou os esports em todo o mundo. A Riot Games cancelou o Mid-Season Invitational no início deste ano. A responsável por League of Legends deve realizar o mundial em um ambiente conhecido como “bolha”, semelhante à NBA, WNBA e NHL, em Xangai.

Devido a um aumento nos casos de COVID-19 no país, a liga da Coreia do Sul adotou o formato online para a disputa dos playoffs. As ligas da Europa e América do Norte estão online desde março.

Questões de imigração são um tema importante para o mundial que está por vir, já que a Riot Games trabalha com sua controladora, a Tencent, e o governo chinês para permitir a entrada de participantes - mesmo de locais como Estados Unidos e Brasil, que estão no topo entre os países com o maior números de casos de COVID-19.

Com contribuição de Tyler Erzberger; nota originalmente publicada em ESPN Esports.