<
>

Análise: Madden NFL 21 tem poucas novidades pertinentes, mas convence na jogabilidade

A grande pergunta que os fãs de Madden sempre fazem quando chega um novo jogo da série é: “vale a pena comprá-lo?” A resposta mais coerente e racional deveria ser “depende”, mas a conclusão geralmente não é esta – pois há a influência direta das expectativas dos próprios jogadores.

Quando o mundo começou a receber as primeiras imagens e notícias de Madden 21, os fãs reclamaram pela mudança praticamente nula no modo Franchise, que geralmente é um dos mais jogados. Por isso, a empresa veio à público acalmar os fãs. Ficou bem claro, que depois de analisarmos Madden 21, a EA Sports focou em algo diferente, como implementações na jogabilidade, no modo Face of the Franchise e principalmente na novidade chamada "The Yard".

Primeiro falaremos da chegada do modo The Yard. A ideia principal desta novidade é colocar personagens criados pelos jogadores em campos menores para uma batalha online. Cada um controla o seu jogador e seja o que Deus quiser. Para a diversão basta vestir o seu jogador da forma que desejar, utilizando as famigeradas roupas e acessórios coloridos disponíveis na loja. Use a moeda do jogo especialmente criada para o The Yard e faça a festa na personalização do seu avatar. O grande objetivo é se divertir com seus amigos de uma forma diferente. Resta saber qual o suporte que a desenvolvedora dará ao longo do ano para não tornar a aventura repetitivo e pouco atraente.

A segunda novidade é o Face of the Franchise, um modo Carreira incrementado de história e clichês, afinal, seria complicado pedir para que Spike Lee ou Tarantino dirigissem o espetáculo. Nem mesmo as participações de Tye Sheridan (X-Men: Apocalipse), Snoop Dogg, Rich Eisen (jornalista) e Robert Patrick (O Exterminador do Futuro) amenizam a mesmice encontrada no enredo. O fato é que a EA Sports deu uma boa incrementada nele, fazendo com que o seu personagem inicie sua jornada no ensino médio, passando pela faculdade, até chegar a carreira profissional da NFL. Vale destacar que será possível passar pelo o NFL Combine para testar suas habilidades e melhorar sua posição de escolha no draft.

A VERDADEIRA MUDANÇA

No quesito jogabilidade, a EA resolveu melhorar alguns quesitos já vistos nos antecessores. Ficou evidente o quanto a desenvolvedora ser preocupou em aperfeiçoar a experiência do jogador com a posse da ovalada. Seja um Wide receiver ou um Running back, pelo ar ou por terra, os controles dos atletas (Skill Stick) está muito mais fluído. Ficou muito mais fácil executar comandos de esquiva, giro e tackles com o analógico direito. A jogabilidade está muito fluída e tem tudo para agradar os gamers.

Outra melhora considerável se refere ao balanceamento dos jogadores. Este foi um quesito muito criticado em títulos anteriores da série, principalmente no último, que teve a chegada das super habilidades, chamadas de Superstar e X-Factor. No jogo de 2019 era evidente a diferença entre os jogadores que possuíam estes quesitos dos demais. Em Madden 21, as diferenças ainda existem, mas não são tão fáceis de serem notadas na prática.

Além destes atributos especiais, a empresa trouxe o Ability Caps (AC). Simplificando, o AC limita a possibilidade de habilidades especiais durante uma partida. Na versão anterior, existia um certo número de jogadores que poderiam usar estes atributos, sendo 3 do ataque e 3 da defesa. A partir de agora, com o Ability Caps, é possível distribuir até 10 pontos de habilidade entre os atletas. Porém, será necessário pensar bastante na hora da distribuição, já que algumas delas custarão mais do que 1 ponto.

Para os jogadores mais hardcore, temos a adição dos ajustes de posicionamento do técnico. Parece algo pequeno e simples, mas que vai alterar totalmente a sua experiência dentro dos gramados. Com ele, a sua defesa pode ser montada da forma que quiser, dependendo do seu adversário. Mas como foi dito anteriormente, os jogadores mais casuais e que não possuem muito conhecimento de táticas e estratégias vão passar batido por isto.

Com o crescimento da NFL no Brasil seria pertinente a empresa perceber o mercado de futebol americano no Brasil. Já pensou como seria imersivo caso tivéssemos o jogo traduzido para o português? A popularização seria ainda mais maior. Como sonhar é permitido, por que não imaginar uma narração em nossa língua? Profissionais qualificados para o serviço não faltam.

Sendo assim, volto a fazer a pergunta? Vale a pena comprar Madden 21? Caso tudo o que foi apresentado acima lhe agrade, com certeza valerá, pois as adições feitas no jogo melhoraram tanto a jogabilidade, quanto a experiência de jogo. Agora, tenho uma pergunta para você, leitor: vale pagar o preço cheio de um jogo pelas mudanças apresentadas?

Madden 21 chega para PlayStation 4, Xbox One, Google Stadia e PC. Futuramente, os novos consoles PlayStation 5 e Xbox Series X também terão o game.