<
>

Após lesão de Mbappé, internet recria 'maldição' de Madden em Fifa

A lesão sofrida por Mbappé, na última sexta-feira (24), fez com que a internet resgatasse a “maldição” que é estampar as capas de Fifa, a franquia de simulação de futebol da Electronic Arts.

O atacante do PSG recebeu dura entrada de Loic Perrin, do Saint-Étienne, na final da Copa da França, na sexta-feira (24). Mbappé foi substituído ainda aos 26 da primeira etapa e passou a se locomover com o auxílio de muletas a partir de então.

Com a participação ameaçada para o fim da temporada por conta do entorse, o francês acabou entrando para as estatísticas de uma superstição que a EA sofre também com a franquia Madden. Ele é o destaque do Fifa 21.

Assim, os fãs reviveram uma pitoresca coincidência: ser capa desse simulador de futebol acaba sendo algo negativo para aquele jogador em destaque, seja por lesões ou temporadas com desempenho bem abaixo do esperado. O mesmo acontece com Madden, com rara exceção.

Hazard (2020) e Neymar (2019) também sofreram com lesões sérias e estamparam a capa de Fifa de seus respectivos anos. Em 2017, Reus não parou de frequentar o departamento médico - algo recorrente na carreira.

É uma superstição que vem de longa data, como é o caso de Beckham: o inglês, destaque do jogo em 1998, ficou marcado negativamente pela expulsão nas oitavas de final da Copa do Mundo diante da Argentina - sendo chamado por muitos torcedores como “vilão” já que a Inglaterra acabou eliminada.

Outros nomes como Rooney (2010) e Kaká (2011) decepcionaram pelo aspecto tático. E se em 2018 não foi um ano de lesões para Cristiano Ronaldo, o fato de ter estampado a capa de Fifa ficou marcado pela saída do português do Real Madrid para a Juventus.