<
>

Free Fire: B4 admite estilo 'conservador', mas promete 'surpresas' para finais da C.O.P.A

play
Chat Aberto: Peu (16:11)

De bronca de mãe à campeão da LBFF. Jogador da Team Liquid conversa com o ESPN Esports (16:11)

Quem olha para a classificação da Liga Brasileira de Free Fire e compara com a da C.O.P.A pode até levar um susto. O motivo é a B4, que encerrou a fase de grupos da copa nacional em primeiro lugar da tabela.

A campanha da B4 pegou de surpresa a comunidade do battle royale pra celular. O time encerrou a etapa classificatória da C.O.P.A com boa margem na liderança: foram 1417 pontos contra 1279 da paiN Gaming, segunda colocada.

Desempenho que contrasta em muito com o visto pela LBFF, quando a B4 passou boa parte do 1ª Split lutando contra o rebaixamento - e mesmo com uma line-up reconhecida.

“Lutar contra a zona do rebaixamento a LBFF inteira nos impulsionou a mudança e busca do aperfeiçoamento de jogo”, admitiu Machado, técnico da equipe, em entrevista exclusiva ao ESPN Esports Brasil. “Tudo mudou. Montamos um time com características para um sistema de jogo eficaz e isso tem dado certo.”

Quando ele fala que “tudo mudou”, muito se dá no aspecto de administração da equipe in-game. É o que explicou o capitão Deadgod. “A principal mudança é que eu, como capitão, e também nosso coach, passamos a ter mais liberdade para executar treinos e estratégias que tínhamos em mente.”

O principal jogador da B4 na disputa da C.O.P.A, inclusive, exaltou as mudanças internas como responsáveis pela melhora de desempenho da equipe. Para ele, não foi algo que aconteceu porque, diferente da Primeira Etapa da LBFF, os jogos agora são disputados de forma online.

“Não é bem por aí”, respondeu. “O time passou por mudanças, as táticas do time também. Aquele sistema de jogo da LBFF não existe mais. Acreditamos no nosso bom desempenho também em stage, se fosse esse o caso.”

SER CONSTANTE E SURPREENDER

Para a disputa da C.O.P.A, a B4 se destaca pela constância apresentada. O time assumiu a liderança geral na Semana 5 e não deixou mais o posto. Para Deadgod, “não existe segredo”.

“Nosso estilo de jogo é conservador e eficaz”, avaliou. “Evitamos trocações desnecessárias e quando precisamos rushar buscamos fazer de forma veloz e eficiente. O mais importante é chegar bem em posicionamento até o final da safe e pontuar o máximo possível nesse momento.”

Deadgod projeta que a B4 manterá a constância, afinal, “constância é sinônimo de vitória sim, pois mantendo o número alto de kills e bom desempenho nas partidas em algum momento o booyah sai e nos evidencia na tabela, esse cenário constante nos levaria para a vitória”.

Acontece que, até mesmo pelas circunstâncias de estarem disputando uma etapa decisiva agora, os jogadores da B4 sabem que precisarão ir além. “Podem esperar uma B4 que equilibre a constância que tivemos ao longo da competição com novas táticas para trazer o elemento surpresa.”

E falando em surpresa, não é segredo nenhum que o jogo da B4 se passa diretamente por Deadgod. De acordo com o “ranking de apelões” criado pela Garena, o jogador é o líder de abates da C.O.P.A até o momento. Foram 112 abates em 72 quedas.

Ou seja, ele somou sozinho 224 dos 1417 pontos conquistados pela B4 até agora na competição. Ainda assim, o técnico Machado, quando questionado da importância de Deadgod, exaltou o time como um todo.

“No final, o que mais pesa é o jogo coletivo. Ele é sem dúvida muito mais importante que o jogo individual”, ponderou. “O que favorece nosso time é que temos seis players de alto nível à disposição. Isso nos dá a oportunidade de fazer alterações mantendo o nível de performance. Entrosamento, tática e calls, se bem executados, fazem com que o individual apareça porque é o que cria a oportunidade para brilhar no servidor.”

A B4 entrará nos servidores da C.O.P.A Free Fire já neste próximo final de semana. Previstas para os dias 18 e 19, as finais começarão a partir das 18h (de Brasília).