<
>

Edmundo processa EA por uso indevido de direitos de imagem em Fifa

play
Aguero rouba a cena jogando FIFA e fica possesso com erro... Dele mesmo: 'Que hace, tio?' (0:28)

Craque argentino duelava com o paraguaio Derlis González (0:28)

O ex-jogador de futebol Edmundo entrou na Justiça contra a Eletronic Arts em processo que pede indenização de R$ 180 mil. O atacante, que se aposentou em 2008, é ídolo das torcidas de Vasco e Palmeiras, além de passar por Corinthians, Flamengo, Fiorentina e outros tantos clubes.

A informação foi publicada pelo UOL Esporte, nesta terça-feira (12).

De acordo com o portal, o hoje comentarista esportivo relatou que a empresa chegou a reproduzir sua imagem e nome sem a devida autorização nos jogos Fifa Manager e Fifa Soccer.

Edmundo foi reproduzido nessas duas franquias em 2007, 2008 e 2009.

"O fato é que o lucro obtido às custas da utilização indevida da imagem dos atletas não chega aos protagonistas do game”, informou o advogado de Edmundo, Luis Felipe Cunha.

“Justamente por isso, reside aqui o núcleo da presente ação: o autor não foi pago pela utilização de sua imagem em nenhum dos anos que os jogos foram comercializados e merece, portanto, ser indenizado por isso.”

Na ação judicial, a defesa de Edmundo estimou que a EA Sports embolsou R$ 26,5 bilhões em 2018 com a comercialização dos games FIFA.

PROBLEMA SEM SOLUÇÃO APARENTE

O caso é mais um reflexo da falta de unidade do futebol nacional e aparente falta de um esforço maior por parte da EA ao longo dos anos. Hoje, há um alinhamento da CBF com Konami para que Pro Evolution Soccer tenha o Brasileirão e equipes de maneira exclusiva, como Flamengo, Palmeiras e Corinthians.

A relação do futebol nacional com a EA em especial sempre foi muito conturbada já que o futebol nacional de primeira divisão não possui uma liga única que o represente em acordos desta natureza, como é o caso da inglesa Premier League. Lá, ao comprar a licença de uso da liga, times e jogadores fazem parte do pacote.

No Brasil, sempre imperou o “cada um por si” e um acordo nunca foi concretizado para longos períodos ou mesmo um uso de licença de imagem que impedisse esse tipo de ação feita pelo sindicato de jogadores de Minas Gerais.