<
>

Há 10 anos, Brasileirão de Fifa era disputado por C.Paulistano, S.Litoral e B.Alphaville

play
De Felipe Melo a Zé Rafael: quem é quem na fila do pão do Palmeiras? (4:32)

Veja o ranking montado por Bruno Vicari, Léo Bertozzi, Edu de Meneses, Celso Unzelte e Jorge Nicola no BB Debate. (4:32)

Fifa 20 não possui alguns clubes brasileiros licenciados, já que o concorrente possui parcerias firmadas com equipes como Flamengo, Corinthians e Palmeiras. No entanto, não é de hoje que o game da EA conta com um futebol brasileiro incompleto. Há uma década, em Fifa 10, a Liga do Brasil continha times devidamente licenciados enfrentando clubes saídos diretamente da mente dos produtores da EA Sports.

Na época, Fifa 10 contava oficialmente com São Paulo, Palmeiras, Cruzeiro, Flamengo, Atlético Mineiro, Botafogo, Coritiba e Atlético Paranaense (ainda sem o “h”) – e só. Os demais clubes que fechavam os 20 participantes da Liga do Brasil tinham elencos reais, mas sua identidade visual era só um vislumbre dos gloriosos escudos e uniformes das agremiações brasileiras.

Para começar havia os “irmãos gêmeos” vindos do sul do país: I.Porto Alegre e G.Porto Alegre. Se a metade vermelha da capital gaúcha, segundo a EA, já tinha Andrés D'Alessandro (79) como seu maior nome, o tricolor apostava na segurança de seu goleiro Victor (78) e na vasta cabeleira de Maxi López (77).

Viajando para o norte no mapa futebolístico brasileiro, Santa Catarina ofereceu A.Florianópolis, comandado pelo interminável Marquinhos (71), que já era um ídolo entre os frequentadores da praia da Joaquina.

Ao desembarcar em São Paulo, havia três opções alternativas locais. Se o “time do povo”, o C.Paulistano, era uma excelente opção por contar com Ronaldo “Fenômeno” em seu elenco, S.Litoral contra-atacava com um jovem franzino chamado Neymar (73).

Por fim, o estado paulista contava com um time sediado em uma cidade vizinha à capital: AS.ABC. Não, não era o Alvinegro Potiguar, mas uma equipe genuinamente da região próximo à São Paulo que possui o apelido formado pelas três primeiras letras do alfabeto. O craque do ABC paulista? O “pé de anjo” Marcelinho Carioca (72).

Se era fácil acompanhar um jogo de AS.ABC pela distância, o time de B.Alphaville já requeria o pagamento de um pedágio na rodovia Castelo Branco para jogar com o simpático time do volante Thiago Humberto (73).

Seguindo o roteiro da viagem pelo Brasileirão de Fifa 10, chegamos à terra do carioca F. Rio de Janeiro. Na época, o F. tinha a excelente dupla formada por Fred (79) e Darío Conca (77).

Para fechar a viagem, do Centro-Oeste vinha o G.Goiânia de Fernandão (74) e Harlei (75). Já do Nordeste, V.Salvador era capitaneado por Leandro Domingues. Ainda na região, os rivais N.Recife e S.Pernambuco tinham como maiores expoentes Carlinhos Bala (72) e Durval (73), respectivamente.