<
>

"Acho que não soubemos aproveitar nosso tempo lá", diz Minerva sobre Circuito Desafiante

Riot Games Brasil

Após um início difícil no CBLoL, a paiN Gaming dá passos tímidos em direção à retomada do desempenho no torneio. O time venceu a INTZ no último domingo (14) e saiu do fim da tabela, estando atualmente empatado com os intrépidos em sexto lugar.

No último final de semana, em que ocorreu a sétima semana do campeonato, a paiN apareceu com escolhas agressivas e relativamente diferentes do jogo apresentado nas rodadas anteriores. Minerva foi um deles — o jungler utilizou a atiradora Kai'Sa na selva contra a KaBuM, e o já recorrente Sylas contra a INTZ.

Em entrevista ao ESPN Esports Brasil, Minerva afirmou que a assertividade mostrada pelo time na sétima semana não tem a ver necessariamente com os campeões escolhidos, e sim com como o time e os jogadores estão.

“Eu acho que a fase no Desafiante foi muito boa na carreira de todo mundo, até porque a competição era muito menor, os jogadores eram muito menos preparados e piores do que os do CBLoL. Nós brilhamos muito lá e eu acho que não soubemos aproveitar nosso tempo lá”, assume o jungler.

“Tivemos problemas do time que deixamos para corrigir aqui no CBLoL. (...) Muitas das coisas que deveríamos ter corrigido no passado, deixamos para corrigir aqui, então estamos lidando agora com isso”, comenta Minerva. Para ele, os problemas causaram alguns “desencontros”, falhas de comunicação e de sinergia.“A cada partida, eu consigo ver uma evolução muito grande, mas ainda está longe do que a gente quer”, conclui.

CRESCENTE

A fim de prosseguir crescendo no campeonato, o caçador afirma que “só o trabalho duro” fará com que o time passe da fase atual. “Sinceramente, eu não esperava que a gente perdesse tantos jogos no início do CBLoL. Eu esperava que a gente fosse ser uma equipe que, na pior das hipóteses, ficaria em um top 3, e não em um top 7, como estamos agora”, confessa.

Minerva destaca que, apesar dos jogos da última semana terem sido melhores do que os apresentados previamente, “ainda tem muita coisa para melhorar”. “Nós não somos uma equipe perfeita, mas estamos melhorando nossos erros. Estamos errando menos, focando em nossos erros e com certeza somos uma equipe mais forte, mas ainda longe do que realmente podemos ser”, crava.

KAI’SA E SYLAS JUNGLE

Minerva comentou suas escolhas na jungle no final de semana. De acordo com ele, a Kai’Sa veio de uma conversa com a comissão técnica da paiN, em que o jogador pediu para utilizar mais da versatilidade propiciada por sua champion pool, que é diversificada.

“Estamos usando minha versatilidade de uma forma melhor agora, de um jeito que não consegui usar antes. Tem campeões que eu também tenho e não consegui usar antes, como o Graves, que eu usei no Desafiante e não foi tão bom assim. A Kai’Sa é a prova dessa versatilidade”, afirma.

Minerva explica as dificuldades de encaixar a campeã na selva. “Encaixar a Kai’Sa não é muito fácil, porque ela é totalmente carry. Quando você coloca um carry na jungle, o jogo muda bastante de dimensão. (...) Hoje, você tem Sejuani, Gragas, Skarner na jungle, que são campeões que tem bastante utility. A Kai’Sa é 0 utility, é só dano”, comenta.

“Ela precisa de tanques na composição, precisa de um suporte para ajudá-la a chegar no pico de poder mais rápido. Tem alguns requisitos para usá-la na jungle, e quem pickar ela tem que ter bastante mecânica, conhecer bastante o campeão, porque as matchups são complicadas”, esclarece.

Já Sylas, no domingo, foi um dos campeões que garantiram a vitória para a paiN. O caçador lembra que utilizava-o na posição “antes dele ser usado e ser meta”, e diz que fica contente em vê-lo dando certo na posição. “Ele é um campeão muito forte com um early game bom”, finaliza.