<
>

Fórmula 1: executiva garante permanência da Renault apesar de cortes na companhia

play
Trocando de esporte? Carlos Sainz se arrisca no boxe, faz treino e mostra talento (0:54)

Vídeo foi publicado nas redes sociais - Instagram @scespn (0:54)

A CEO interina da montadora francesa Renault, Clotilde Delbos, afirmou nesta sexta-feira que não há planos para a empresa sair da Fórmula 1, apesar da divulgação mais cedo do plano de cortes de 2,15 bilhões de euros (R$ 12,7 bilhões), que inclui 15 mil demissões.

"O anúncio de uma nova regulamentação sobre a limitação de gastos é muito bom para nós, porque teremos que investir menos na categoria do que alguns de nossos rivais, que gastam muito dinheiro. Por tanto, estamos e seguiremos na Fórmula 1", disse a executiva, em entrevista coletiva.

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciou nesta quarta-feira mudanças que serão introduzidas na F-1 nos próximos anos, tanto em normas técnicas quanto na parte de competição, para de minimizar os danos causados pela crise resultante da pandemia do coronavírus, incluindo um limite orçamentário.

A partir do próximo ano, cada equipe não poderá gastar mais de US$ 145 milhões (R$ 774,3 milhões), montante que será reduzido em US$ 5 milhões para 2022, e mais US$ 5 milhões para os dois anos seguintes.