<
>

F1: Principal jornal esportivo da Itália crava: 'Leclerc e Vettel não se suportam mais na Ferrari'

play
Relembre as trapalhadas da Ferrari (até agora) na temporada 2019 da Fórmula 1 (0:42)

Equipe italiana não está correspondendo às expectativas (0:42)

Os bastidores da Ferrari na Fórmula 1 estão pegando fogo.

De acordo com a Gazzetta dello Sport, principal jornal esportivo italiano e com boas fontes na escuderia, a relação entre os pilotos Sebastian Vettel e Charles Leclerc é péssima, já que o jovem monegasco vem crescendo cada vez mais, enquanto o veterano alemão não está gostando de ver a tomada de protagonismo do colega de equipe.

"Leclerc e Vettel não se suportam mais", garante o repórter Andrea Cremonesi, especialista em F1 da Gazzetta.

De acordo com Cremonesi, o chefe de equipe da Ferrari, Mattia Binotto, vê Leclerc, de apenas 21 anos, como um "predestinado" - este, inclusive, é o apelido que Binotto deu a Leclerc.

Já o monegasco, inflado pelos elogios que vem recebendo até de seus adversários, como Lewis Hamilton, "quer tudo no mesmo, como jovem que é".

Vettel, por sua vez, não engole.

"O alemão, sobretudo depois de sua vitória em Cingapura, não aceita o rol de piloto secundário. Ele não quer vestir uma 'fantasia de Raikkonen' na Ferrari", afirma a Gazzetta.

"Vettel tem experiência e astúcia. Quem discorda disso, que pergunte a Mark Webber...", ironizou o jornal, lembrando os tempos em que Vettel mantinha clara a posição do australiano como nº 2 da Red Bull.

O diário salienta que esse "clima explosivo" não é bom para a Ferrari, já que Leclerc e Vettel estão em um ponto "quase inevitável" de colidirem na pista, enquanto um tenta ultrapassar o outro.

"Binotto terá que trabalhar nos próximos dias para acalmar os ânimos. A Ferrari claramente progrediu muito nas últimas semanas, mas ainda tem problemas internos com seus pilotos", explica.

"É uma combinação explosiva, e que precisa ser tratada com cautela. Binotto é muito consciente e sabe como funciona esse tipo de dinâmica, [...] mas agora tem a obrigação de assegurar que o mecanismo que comanda tenha uma rivalidade sadia, que funcione sem problemas", finaliza.