<
>

Sam Kerr detalha 'renascimento' no Chelsea e parceria absurda no ataque estilo dupla lendária do United

A atacante australiana Sam Kerr está vivendo o sonho de qualquer profissional. Seu clube, o Chelsea, conquistou a Copa da Liga, está na liderança da Superliga Feminina, marcou o segundo gol na vitória de 3 a 0 sobre o Wolfsburg que classificou o time para a semifinal da UEFA Women's Champions League, além de um hat-trick na goleada por 6 a 0 sobre o Birmingham.

Apesar disso, ela já foi bastante perseguida pela fama de ‘pipocar’ na frente do gol ou quando precisava ser decisiva. Um dos momentos mais marcantes de sua carreira, até o momento, foi o pênalti perdido contra a Noruega na Copa do Mundo de 2019, que acabou na eliminação da seleção australiana nas oitavas-de-final.

“As pessoas subestimam como é difícil morar em lugares diferentes no mundo, estar longe da família e esse tipo de coisa", refletiu Kerr sobre sua decisão de deixar a NWSL (Liga Norte Americana de Futebol Feminino) e o Chicago Red Stars para jogar na Inglaterra em novembro de 2019. "Sempre disse que sou alguém que joga melhor quando estou feliz e confortável".

"Foi difícil vir para cá. Nos primeiros meses, eu achei muito difícil... Uma vez estabelecida, encontrei meu bom futebol, totalmente concentrada e estou realmente gostando".

A capitã das Matildas (como é apelidada a seleção da Austrália) revelou ter se surpreendido com a diferença como o esporte é encarado nos Estados Unidos e na Inglaterra.

“Tem sido a surpresa mais agradável para mim. É preciso mais do que apenas ir bem em um Domingo”, disse Kerr. “É como uma partida de xadrez o ano todo, você tem que descansar as jogadoras em certos dias para evitar lesões, cartões amarelos e vermelhos agregados. Muito mais do que escolher a melhor formação.”

Porém os problemas parecem ter ficado no passado. Além de Kerr está vivendo grande fase com a camisa dos Blues - chegando à vice-artilheira da Super Liga com 14 gols em 18 jogos, ficando apenas atrás de Vivianne Miedema, do Arsenal - formou a dupla perfeita com Fran Kirby.

A treinadora do Chelsea, Emma Hayes, comparou a parceria Kirby-Kerr com a do Manchester United Dwight Yorke e Andy Cole, que infernizaram as defesas adversárias em 1999.

"Elas simplesmente se entendem. Isso não se aprende em treinos, o que faço é tentar colocá-las nos espaços certos e elas fazem o resto. Elas são talentosas, jogadoras de nível mundial e acho que todos os elogios são justificados".

Para Kerr, é ainda mais simples. "Quando se joga com alguém tão bom quanto Fran, fica muito fácil", diz ela à ESPN. “Eu sei que ela quer ganhar tanto quanto eu e sei que sempre que ela receber a bola algo vai acontecer. É por isso que vim ao Chelsea, para jogar com jogadores como Fran.”

A dupla já anotou 31 gols em todas as competições desta temporada, e juntas foram responsáveis por 3 dos 5 gols que classificaram o Chelsea para as semifinais da Women's Champions League - 2 gols de Kerr e 1 gol e 1 assistência de Kirby.

Agora, Kerr se juntará a Seleção da Austrália em partidas contra Alemanha e Holanda em preparação para as Olimpíadas. "É sempre a maior honra jogar pelo meu país”, diz a atacante. “E eu acho que é ainda mais especial quando se joga com garotas com as quais você cresceu e passou mais tempo com elas do que com sua família".