<
>

José Roberto conta como lida com as jogadoras e brinca: 'Talvez eu seja um dos únicos homens do Brasil a ter um ginecologista'

play
Há anos comandando times femininos, José Roberto Guimarães conta como aprendeu a lidar com particularidades (1:35)

O técnico da seleção brasileira e do São Paulo/Barueri diz o quanto estudou para conseguir entender a mente e corpo feminino (1:35)

Atual técnico da seleção feminina de vôlei e do São Paulo/Barueri, José Roberto Guimarães tem uma vasta experiência com as mulheres. Desde 2000, o comandante se firmou como técnico da equipe do Osasco e, em 2003, assumiu a seleção brasileira.

Desde então, José Roberto só tem trabalhado com as mulheres e o que muitos julgam uma tarefa difícil, ele esbanja experiência. E ele ainda brinca: “Eu estudei muito. Eu costumo dizer que talvez eu seja um dos únicos homens do Brasil que tenho um ginecologista”.

O técnico disse ter sentido a necessidade de estudar para entender como funciona o metabolismo da mulher e reconhece ser diferente do masculino. “É muito importante você saber sobre TPM, sobre pílula, sobre hormônios... E entender isso para você poder conversar diretamente com as meninas”, diz.

“Mesmo que eu não tenha menstruado nunca, não tenha parido nunca, é importante saber as coisas que acontecem quando engravidam, quando elas têm os meses de gestação, a preparação da vinda de uma criança, como é que acontece o parto, como é que acontece a vida delas para que eu possa ajudar”, completou o técnico.

Ele também diz que todos da comissão técnica se alertaram para isto e garante ter uma equipe qualificada para lidar com todas as jogadoras, independentemente de ser homem ou mulher. Porém, mesmo com a possibilidade de trabalhar com ambos os sexos, José Roberto ressalta a importância de mulheres na comissão.

“Também acho importante ter mulheres na comissão técnica, quero que venham mais técnicas mulheres. Existe lugar para todo mundo”, disse.

O comandante também completou estar satisfeito e feliz com o trabalho que realiza com as mulheres, e finaliza: “Hoje eu não trocaria voltar para o masculino e deixar o time feminino. Eu vou encerrar minha carreira, se Deus quiser, treinando um time feminino”.

José Roberto Guimarães segue no comando da seleção e do São Paulo/Barueri, mas mais cedo este ano, divulgou que deixará o cargo do Brasil após Tóquio-2020.