<
>

Corinthians pressiona, sofre, mas derrota a Ferroviária e garante o bicampeonato da Libertadores

Corinthians, bicampeão da Libertadores CRISTINA VEGA RHOR/AFP

Pela final da Copa Libertadores feminina, o que estava em jogo era o segundo título dos dois lados.

Reeditando a final do Brasileiro deste ano, o Corinthians enfrentou a Ferroviária em Quito, no Equador, e venceu por 2 a 0, com gols de Crivellari e Juliete.

O time comandado por Arthur Elias, apesar de alguns erros, conseguiu vencer e conquistar o bicampeonato da Libertadores e ainda atingir a marca de 43 jogos invictos na temporada.


Ficha Técnica

Ferroviária 0 x 2 Corinthians

Gols: Crivellari, Juliete (Corinthians).

CORINTHIANS: Lelê, Katiuscia, Pardal, Erika, Juliete, Grazi, Gabi Zanotti, Paulinha (Crivellari), Tamires (Cacau), Millene, Victoria Albuquerque. Técnico: Arthur Elias.

FERROVIÁRIA: Luciana, Barrinha, Géssica, Andréia, Monalisa (Gabizinha), Rafa Andrade, Maglia, Rafa Mineira (Carol Tavares), Aline Milene, Nathane, Nenê (Rosana). Técnica: Tatiele Silveira.


Vitória sofrida?

Apesar de o Corinthians ter pressionado na maior parte do jogo, o primeiro tempo terminou empatado em 0 a 0 e com algumas chances claras da equipe da Ferroviária.

Mas no segundo tempo, com algumas mudanças, o Corinthians conseguiu reagir e abriu o placar na metade do segundo tempo. Tamires fez o passe para Crivelari, que ganha na corrida da zagueira, tira da goleira e abre o marcador em Quito.

Já nos acréscimos - de cinco minutos - o Timão ainda conseguiu aumentar o placar para garantir o título. Juliete tabela na esquerda, invade a área e toca na saída da goleira e marca o dela, para fechar o placar em 2 a 0 para o Corinthians.


O bicampeonato

O Corinthians havia conquistado o primeiro título da Libertadores em 2017, quando ainda tinha parceria com o Audax e também sob os comandos de Arthur Elias.

A vitória garantiu o bicampeonato para o Timão, que se iguala ao Santos, com dois títulos.

O São José segue o único tricampeão do torneio.


E a arbitragem?

Mais uma vez, a arbitragem foi muito questionada, principalmente no que diz respeito aos impedimentos.

No primeiro tempo, um gol mal anulado do Corinthians logo levou torcedores a revolta. Em seguida, mais alguns impedimentos não compreendidos para o time da capital.


Artilharia

Apesar do título corintiano, a artilharia foi do lado da Ferroviária.

Nathane foi quem marcou mais vezes, 9 no total.

Em segundo lugar, com 8 gols, Madeleine, do Cuenca (8). Larroquete (Uai Urquiza) e Romero (Atletico Huila) empatadas na terceira colocação com 6 gols.

E Milene, do Corinthians, vem em quarto lugar, com 5 gols.