<
>

Melhor goleira do mundo, Endler abre o jogo sobre Corinthians e final da Champions League feminina

play
Final da Champions League Feminina: Time do ESPNFC alerta sobre destaques de Barcelona e Lyon; VEJA (2:27)

Decisão deste sábado coloca a frente atual e ex-melhor jogadora do mundo (2:27)

Em entrevista exclusiva à ESPN, chilena finalista da Champions League esbanjou sinceridade ao falar sobre Copa do Mundo, Champions League e até tamanho dos gols no futebol feminino


Vencedora do prêmio Fifa The Best como melhor goleira do mundo, Christiane Endler, atual jogadora do Lyon, é uma das sul-americanas de maior sucesso na Europa. Aos 30 anos e com experiência de seis temporadas no futebol do velho continente, Endler é referência debaixo das traves por conta da habilidade de jogar com os pés e reflexos de dar inveja, mas quando questionada sobre ser a melhor do mundo, a jogadora mostra toda a humildade.

‘Não sei se sou a melhor goleira do mundo. Eu acho que é um pouco subjetivo. Para algumas pessoas eu sou, e para os outros, talvez não. Mas acho que estar entre as três primeiras nos últimos três anos é uma coisa enorme para mim porque isso quer dizer que eu estive em alto nível (...) Quer dizer que eu mantive um nível alto por um longo tempo. Então, isso me deixa muito orgulhosa’, disse Endler.

Admiradora do futebol brasileiro, a melhor goleira do mundo cresceu sem grandes referências femininas na modalidade, por outro lado, afirma que se inspira muito em nomes como Marta, Cristiane e Formiga.

‘Para mim, poder jogar ao lado de Formiga ou Erika, estas grandes pessoas e jogadoras, é uma grande honra. Eu acho que as jogadoras brasileiras sempre foram uma inspiração para todos as jogadoras da América Latina porque sempre estiveram, sempre jogaram em alto nível nas Copas do Mundo, nos Jogos Olímpicos. Além disso, vocês (Brasil) tem tantas jogadoras boas que posso dizer (...) Posso dizer que o Brasil é sempre um adversário muito difícil para nós (Chile)’, afirma a chilena.

Agora, além de referência para meninas e mulheres, Endler também é garota propaganda da chuteira Adidas Predator Edge. Pela primeira vez, uma das maiores marcas do mundo aposta em uma campanha de chuteiras apenas com mulheres, mostrando apoio ao futebol feminino e dando toda visibilidade que a modalidade merece.

‘É uma honra fazer parte desta campanha (Predator/Adidas). Eu nunca imaginei algo assim antes, que eu poderia ser o rosto de uma das maiores campanhas do Predator. (...) Como eu disse antes, é uma honra porque eu sou uma jogadora que veio do Chile, eu nunca imaginei fazer parte disso. Nós somos quatro mulheres que são as caras da campanha. Isso é inacreditável’, conta emocionada.

Mas, para aqueles que insistem em menosprezar o futebol feminino e discutir sobre tamanho de gols e campos, Endler é direta:

‘Eu acho que é só (...) Você é estúpido (quem fala mal da modalidade). Acho que mostramos que somos capazes de jogar nesses campos e com esse tamanho de gols. E sem problema. Nós temos a capacidade. Temos a condição de ir muito bem em qualquer tipo de campo. Não precisamos desse tipo de conversa (...) Precisamos falar mais em como apoiar nosso futebol e como desenvolver um futebol feminino melhor. Não sobre o tamanho dos campos ou dos gols.’

Libertadores, Corinthians, Ferroviária e Santos

Endler é peça importante nos primeiros passos de clubes chilenos no cenário internacional. Quando jogava pelo Everton, chegou à final da Libertadores Feminina, mas perdeu para o Santos por 1 a 0. Em 2011, novamente acabou na segunda posição depois de perder para o São José, mas, no ano seguinte, pelo Colo-Colo, a goleira brilhou, pegou a última cobrança de pênalti e foi campeã da Libertadores sobre o Foz Cataratas.

Admiradora do futebol brasileiro, a chilena conta que acompanhou a última Copa Libertadores e, a cada dia que passa, fica mais impressionada com as habilidades das jogadoras.

‘É incrível quantas mulheres jogam futebol no Brasil e isso é algo que eu realmente gosto. É possível ver várias jogadoras boas por aí (Brasil) e isso dá a competição times bons. Eu sei do Corinthians, Ferroviária, eu joguei muito contra o Santos nas outras Libertadores (...) Conheço muitas jogadoras brasileiras e tenho um relacionamento muito bom com elas, eu falo um pouco de português com elas e essa é uma ótima ferramenta para conhecer essas culturas diferentes. É isso que o futebol pode te dar.

play
1:06

'Não sei se sou a melhor goleira do mundo': Endler esbanja sinceridade e fala sobre o prêmio Fifa The Best

Chilena concedeu entrevista exclusiva à ESPN

Copa do Mundo e Champions League

Apesar de tantas barreiras quebradas e títulos ganhos, Endler ainda não conquistou a tão e sonhada Champions League, competição em que ela estará na decisão neste sábado (21), contra o Barcelona. Então, quando falamos de sonhos e futuro, a goleira pensa apenas em continuar conquistando tudo por aí.

‘Bem, eu tenho muitos sonhos e objetivos para o futuro. O primeiro de todos é eu realmente quero ganhar a Champions League, é algo que sinto falta na minha carreira, então, estou trabalhando para isso.

Figurinha carimbada na seleção chilena, Endler esteve na Copa do Mundo de 2019 e na Olimpíada de Tóquio, competições inéditas para o futebol feminino do Chile. Por isso, a goleira confia que o time pode fazer uma boa campanha na Copa América de julho e, assim, garantir uma das três vagas para a Copa do Mundo 2023, na Austrália e Nova Zelândia.

Ah, a Copa do Mundo (...) Como digo, seria um sonho. Mas, agora, um dos meus maiores objetivos é jogar a Copa América em julho. Esse será o primeiro passo’, conta a chilena.

Mas, quando se fala em Mundial, Endler sabe da dificuldade de competir com grandes seleções como os Estados Unidos, por outro lado, Endler confia na seleção chilena e espera ser uma pedra na chuteira das adversárias.

’Eu acho que há várias equipes boas que estão trabalhando muito bem. Acho que a Espanha pode ser uma surpresa na próxima Copa. Eles têm uma equipe muito boa com grandes jogadoras e estão trabalhando muito bem. Claro, sempre os EUA vão ser um dos favoritos (...) O Brasil eu acho que tem habilidades e jogadores para se sair muito bem (...) Além disso, espero que o Chile esteja no topo na próxima Copa do Mundo também.’

De ídola do PSG à reconstrução do Lyon

Endler teve uma breve passagem pelo Chelsea em 2014, mas apenas em 2016, quando jogava pelo Valencia, da Espanha, se estabeleceu no futebol europeu. Já no PSG, a goleira virou referência, jogou por quatro temporadas e viu a equipe francesa alcançar, pouco a pouco, o patamar de rival do poderoso e imbatível Lyon.

Pelo clube de Paris, venceu a Copa da França, o tão sonhado Campeonato Francês e ainda eliminou o Lyon nas quartas de final da Champions League. Depois de tantas conquistas pelo PSG e de levar o clube para a prateleira mais alta do futebol feminino, Endler trocou a equipe pelo Lyon.

‘Bem, acho que essa equipe (Lyon) quer sempre ganhar tudo e é isso que eu gosto nesse time. O apoio ao futebol feminino é real e já existe há muitos anos. Eles tem um tudo, mas querem continuar melhorando e mantendo este alto nível’, conta a goleira.

Agora, jogando pelo Lyon, a atleta sabe que há algum tempo o clube não ganha, mas é exatamente isso que ela quer fazer: colocar o novo clube de volta ao topo.

‘Na última temporada os troféus não chegaram, mas estamos trabalhando muito duro para para levá-los de volta ao clube. Acho que temos uma equipe muito boa este ano. Nos últimos jogos nós jogamos muito bem (...) temos também o regresso de algumas jogadorss chave no meio-campo como Marathon, como Eugénie Le Sommer (...) Então, espero e acho que este ano será diferente do ano passado e ganharemos alguns troféus’, finaliza.