<
>

Tapetão na MLB? Conselho de Los Angeles aprova pedido de tirar títulos de Astros e Red Sox e dar para os Dodgers

O Conselho da Cidade de Los Angeles aprovou por unanimidade uma resolução na terça-feira pedindo à Major League Baseball que retire os recentes títulos da World Series do Houston Astros e do Boston Red Sox e os entregue aos Los Angeles Dodgers.

A resolução, originalmente apresentada pelos membros do conselho Gil Cedillo e Paul Koretz na quarta-feira, observa as alegações de roubo de sinal feitas contra o Astros de 2017 e o Red Sox de 2018 e pede ao comissário da MLB, Rob Manfred, que "retenha os troféus da World Series e os entregue ao Los Angeles Dodgers".

Manfred escreveu uma declaração de nove páginas em 13 de janeiro que detalhava o uso ilegal de tecnologia por parte dos Astros para roubar os sinais dos adversários durante a temporada regular de 2017 e a pós-temporada e distribuía multas que incluíam suspensões para o gerente geral Jeff Luhnow e o gerente A.J. Hinch, a perda de quatro escolhas nas duas primeiras rodadas do draft da MLB e uma multa de 5 milhões de dólares.

Hinch e Luhnow foram posteriormente demitidos. Os Red Sox dispensaram Alex Cora, treinador dos Astros em 2017 e gerente de Boston na temporada seguinte. O New York Mets fez o mesmo com Carlos Beltrán, um importante jogador veterano do Astros em 2017 que foi nomeado gerente dos Mets em novembro.

O Athletic primeiro revelou as transgressões dos Astros e depois relatou que os Red Sox 2018 também usaram a tecnologia para roubar sinais. A MLB deve anunciar os resultados de sua investigação sobre os Red Sox em um futuro próximo.

Os Dodgers, ainda buscando seu primeiro título desde 1988, perderam para os Astros em sete jogos na World Series de 2017 e perderam para o Red Sox em cinco jogos em 2018.

A MLB pediu às equipes que não comentassem o roubo de sinais, conforme revelado pelos Dodgers em um comunicado na semana passada. Mas vários jogadores expressaram suas opiniões nas mídias sociais, incluindo Cody Bellinger e Alex Wood, jogadores importantes do atual elenco dos Dodgers.

Entenda o caso

Em 2018, o Boston Red Sox contratou Alex Cora como técnico. E o ex-auxiliar dos Astros levou para o Fenway Park o esquema que havia ajudado a implementar no Texas. Só que os Red Sox não foram de cabeça no roubo de sinal com tecnologia. Tentaram um esquema híbrido.

Como no caso de Houston, os Red Sox usavam câmeras para captar imagens dos sinais dos catcher e enviá-las para um monitor nos vestiários. A diferença é como os rebatedores recebiam essa informação. No caso dos Astros, vai de assobios e pauladas em uma lata de lixo até a suspeita de uso de artefato eletrônico preso ao corpo do jogador. Para Boston, essa parte era mais discreta e, digamos, mais "old school".

Os rebatedores descobriam pelo vídeo quais os códigos de sinais que os adversários usavam. Eles trabalhavam normalmente no bastão, sem receber nenhuma orientação. No entanto, se chegassem à segunda base, eles usavam o conhecimento adquirido com as imagens do monitor do vestiário para ver as orientações dos catchers com os próprios olhos e repassar ao rebatedor. Ou seja, a segunda parte estaria dentro do código de ética que sempre foi aceito e praticado no beisebol. A questão é que a primeira envolvia a filmagem irregular dos oponentes.

E, como ocorreu com os Astros em 2017, os Red Sox acabaram campeões na temporada em que implementaram um sistema de roubo de sinais com a participação de Alex Cora.