<
>

MLB: Cinco motivos para você não perder a World Series entre Washington Nationals e Houston Astros

NOVA YORK - O Houston Astros competiu na Liga Nacional desde sua formação em 1962 até se mudar para a Liga Americana em 2013. O Washington Nationals não existia até 2005, apesar de seus precursores, o Montreal Expos, compartilharem uma liga com o Astros de 1969 a 2004.

Assim, as únicas temporadas possíveis que poderiam ter terminado em uma World Series entre Astros e Nationals foram as sete últimas. Esta temporada marcou apenas a segunda vez nessas sete temporadas em que ambas as equipes se classificaram para os playoffs. E aqui estamos nós: Astros e Nationals decidirão o campeão do beisebol em 2019.

De fato, não há muita história em termos de confrontos esportivos de alto nível entre essas duas cidades. O que vem à mente é o torneio da NCAA de 1984, no qual Georgetown Hoyas, liderado por Patrick Ewing, derrotou o o Houston Cougars de Hakeem Olajuwon na final.

Existem alguns elementos de ironia histórica em jogo. Os Astros passaram a maior parte de sua história na NL, enquanto Washington por décadas foi um elemento importante na AL, embora tipicamente na segunda divisão. Dessa forma, as equipes estão 'trocadas'. Este é o primeiro título de NL de Washington, e Houston agora tem dois na AL.

Vamos ver, então, as cinco razões pelas quais você não pode deixar de assistir à World Series entre Astros e Nats.

1. Trio Poderoso x Quarteto Fantástico

Muito foi dito sobre o retorno dos arremessadores titulares como parte essencial da fórmula de outubro e, a esse respeito, Astros e Nationals fazem o par perfeito da World Series. Você teria dificuldade em encontrar mais arremessadores titulares de elite em qualquer confronto possível do que o que será exibido nas próximas semanas.

De acordo com a versão FanGraphs do WAR, aqui estão os 10 melhores arremessadores do beisebol nas últimas três temporadas:

1. Max Scherzer, Nationals (20.5)
2. Jacob deGrom, Mets (20.2)
3. Chris Sale, Red Sox (17.4)
4. Justin Verlander, Astros (17.2)
5. Gerrit Cole, Astros (16.8)
6. Stephen Strasburg, Nationals (14.0)
7. Patrick Corbin, Nationals (13.7)
8. Aaron Nola, Phillies (13.4)
9. Corey Kluber, Indians (13.3)
10. Zack Greinke, Astros (13.1)

Cinco dos sete primeiros! Seis dos 10 melhores! Os amantes de arremessadores à moda antiga devem estar entusiasmados. Se o beisebol é uma liga de imitadores, ter duas equipes com grandes arremessadores titulares na World Series é uma coisa boa.

Os possíveis confrontos de arremesso são saborosos. Provavelmente, teremos Cole contra Scherzer no jogo 1, seguido por Verlander contra Strasburg no jogo 2 e Greinke contra Corbin no jogo 3. O jogo 4 se torna interessante a esse respeito: os Nationals podem colocar Anibal Sánchez, que tem ótimo retrospecto em playoffs na carreira. Os Astros, por outro lado, tiveram dúvidas sobre esse quarto elemento durante toda a pós temporada.

Eles não tiveram que se preocupar com isso porque a rotação de três titulares funcionou até aqui. Eles não serão capazes de fazer isso na World Series.

Também existem muitas inter-relações entre os arremessadores dessas equipes. Sanchez, Scherzer e Verlander eram membros da mesma rotação do Detroit Tigers em algumas equipes da pós temporada no início da década. Greinke e Corbin também eram companheiros de rotação no Arizona. Cole e Strasburg são do sul da Califórnia e clientes de Scott Boras.

2. "Descanso nunca é demais"... Só que neste caso, pode ser

Após uma ALDS de cinco jogos, com três jogos em três dias para eliminar os Yankees, os dois dias de folga dos Astros antes da World Series trazem uma pausa bem-vinda e uma chance de definir a rotação inicial. Os Nationals tiveram isso e mais alguns. Quando a série começar, os Nats terão seis dias de folga desde que varreram o St. Louis Cardinals.

De acordo com a ESPN Stats & Info, seis equipes tiveram folga de seis ou mais dias entre a final de conferência e a World Series. Sua campanha nos primeiros dois jogos da World Series são de 5 vitórias e 7 derrotas.

• Braves de 1995 fizeram 2-0 nos Jogos 1 e 2 e conquistou o título em seis jogos.
• Yankees de 1996 fizeram 0-2 nos Jogos 1 e 2, mas ganhou o título em seis.
• Rockies de 2007 fizeram 0-2 nos Jogos 1 e 2 e foram varridos em quatro.
• As outras três equipes (Tigers-2006, Phillies-2008, Phillies-2009) venceram um e perderam um na World Series.

Para constar: Durante as partidas da temporada regular, Scherzer está 14-10, com um ERA de 2,98 em 40 partidas, durante seis ou mais dias de descanso. Strasburg está 19-13 com um ERA de 3,10 em 42 partidas de descanso prolongado. Corbin está 13-7 com um ERA 3,43 em 24 partidas. Sanchez está 19-9 com um ERA de 3,37 em 54 partidas. Se os Astros esperam que os Nats entrem enferrujados, esses números não parecem ser particularmente boas notícias.

3. A chave é a terceira base

Em Anthony Rendon, de Washington, e Alex Bregman, de Houston, temos, sem dúvida, o encontro entre os dois melhores homens de terceira base do beisebol. Para fãs de uma certa idade, isso remonta à World Series de 1980, na qual George Brett, do Kansas City, enfrentou Mike Schmidt, de Philadelphia.

Desculpas aos fãs de Nolan Arenado, Kris Bryant, Jose Ramirez e Matt Chapman, mas nas últimas três temporadas, Rendon lidera todos de sua classe e é seguido de perto por Bregman.

Rendon e Bregman estão no auge de suas carreiras quando a série começar, mas Randon foi melhor nos playoffs até agora. Os dois são favoritos aos prêmios de MVP em suas respectivas ligas.

4. Formatos de bullpen vêm por aí

O bullpen do Astros resistiu bem aos Yankees na ALCS. É claro que não prejudica o fato de os relievers de Houston serem capazes de desempenhar papéis diferentes na temporada regular por causa das entradas de qualidade que AJ Hinch recebe de sua rotação. Os Nationals têm isso também, mas nos playoffs, Dave Martinez aumentou sua equipe de assistência técnica com passagens de bullpen de seus três primeiros titulares. Strasburg, Scherzer e Corbin realizaram um total de cinco jogos de relief entre eles em outubro.

Hinch simplesmente não teve que fazer isso com sua equipe. Além dos bons jogos que recebeu de Verlander e Cole, Hinch viu gradualmente sua equipe de assistência cristalizar após alguns começos difíceis. Roberto Osuna, mais próximo, tem jogado muito bem, e Will Harris tem sido ainda melhor. O jovem Josh James emergiu como uma opção de alavancagem, cobrindo a aparente falta de confiança de Hinch em Hector Rondon, e Joe Smith arremessou muito bem contra os Yankees.

A melhor notícia de todas foi uma atuação excelente de Ryan Pressly, um dos principais relievers de Houston. Depois de ter dificuldades nas entradas de abertura, ele conseguiu dois strikeouts com as bases lotadas contra os Yankees.

Washington também recebeu boas notícias de seus relievers. Sean Doolittle tem arremessado muito bem, e Daniel Hudson é uma arma. Mas o bullpen de Houston parece estar se reunindo na hora certa - pelo menos na medida em que é necessário.

5. Encontro dos jovens bombardeiros

Ok, os rebatedores não competem entre si, por si só, exceto no Home Run Derby, mas a World Series verá dois dos rebatedores canhotos mais dinâmicos que já vimos há muito tempo: Juan Soto para os Nationals e Yordan Alvarez para os Astros.

Alvarez, 22, é o novato, mas Soto, 20, é mais jovem. Ainda assim, Soto tem quase 800 aparições no home plate a mais que Alvarez, então seus números até hoje são mais concretos. Ainda assim, considere esta comparação:

Soto: .287 / .403 / .535
Alvarez: .313 / .412 / .655

Esses caras têm idade de jogadores de college! Soto tem médias de 34 HRs, 110 RBIs e 114 corridas por 162 jogos até agora em sua carreira. Alvarez está em um ritmo ridículo de 50 HRs, 145 RBIs e 108 corridas por 162 jogos.

Embora estejamos falando de jogadores diferentes em termos de estilo e tipo de corpo, uma coisa importante que eles têm em comum é um jogo completo. Eles não rebateram tão bem até agora em outubro, embora Soto tenha ajudado bastante Washington. Alvarez não foi bem na ALCS. Ainda assim, dada a variedade de suas habilidades, não parece que isso vá durar muito tempo.

O jogo 1 é nesta terça-feira no Minute Maid Park, em Houston. Que comece os confrontos entre aces, bombardeiros e estrelas da terceira base!