<
>

Um pedaço de madeira e um balde: a emocionante história de garotinha que sonha em ser jogadora de basquete

play
Garotinha de seis anos revela sonho de ser jogadora de basquete e treina em cesta improvisada (0:57)

Hadassa e seu tio, Matheus, falaram com a ESPN Brasil (0:57)

Em tempos de pandemia, um alento para o coração. O esporte, mais uma vez, servindo como símbolo de esperança. Somado à imaginação e à inocência de uma criança, a quarentena desta família de Porto Velho, Rondônia, pode servir de inspiração.

No país do futebol, a pequena Hadassa, de seis anos, se apaixonou pelo basquete.

"Eu quero ser igual a Tainá Paixão", é o que a garotinha diz ao seu tio, Matheus Gama, de 18 anos, que bateu um papo com a ESPN. Na última semana, a foto da menina ‘viralizou’ na internet.

Seu tio publicou em suas redes sociais o treino de basquete de Hadassa. Sem uma cesta profissional - ou amadora -, Matheus deu um ‘jeitinho’ de não deixar de praticar o esporte com a sobrinha.

"Eu sempre gostei de basquete e comecei a praticar. Minha irmã ficou grávida e teve a Hadassa. Desde que ela nasceu, eu tinha na minha cabeça que iria esperar ela crescer e incentivá-la a jogar basquete. E aí veio essa quarentena, e eu falei para ela que a gente ia treinar todo dia nesse período e ela disse que queria aprender. Fui passando o básico, nem tinha feito a tabela e nem a cesta. Fui mostrando o modo de arremessar, de correr batendo bola…”, explica o tio.

Empolgado com a animação da sobrinha pelo basquete, Matheus Gama resolveu montar uma cesta improvisada e preparou mini-treinos.

“A gente tem uma garagem para guardar ferramentas e tinha tipo uma placa de compensado bem fina lá. Eu preguei uns paus atrás dessa placa, para segurar e não quebrar, e fiz uma meia tabela, meio quebrada. Tinha um balde velho lá em casa e preguei junto à tabela e coloquei na ‘perna-manca’ onde fica a caixa d'água. E assim a gente treina. Mas eu coloquei numa altura que ficasse boa pra ela arremessar, por causa do tamanho dela”, conta.

A história não passou despercebida para os usuários do Twitter, que prontamente sugeriram uma ‘vaquinha online’ para ajudar a família a comprar uma cesta de basquete para Hadassa. Matheus também revela uma mensagem da CBB (Confederação Brasileira de Basquete).

“O pessoal começou a comentar, compartilhar e marcar jogadores. E eu pensei ‘meu Deus o que está acontecendo?’, mostrei pra mãe dela e ela ficou feliz. O pessoal estava querendo colaborar de alguma forma e falaram para eu criar uma vaquinha para as pessoas nos ajudarem. Um cara mandou 300 reais, e no Twitter não para, está bombando. Estamos felizes, a Hadassa está feliz. A CBB vai mandar um kit com uma bola para ela”, revela o tio da garota

Para não deixar a pequena desanimar, Matheus conta que mostra vídeos das jogadoras da seleção brasileira de basquete, em especial da Tainá Paixão.

“Ela gosta muito da Paixão, até fala que ‘quer ser que nem ela’, e pede para eu treiná-la igual a Tainá”, conta Matheus, rindo da motivação da sobrinha.