<
>

NBA cada vez mais perto: conheça a incrível história do menino que se tornou o primeiro jogador com autismo a pontuar no basquete universitário

Quando Kalin Bennett recebeu a bola de costas para a cesta restavam dois minutos e 33 segundos. Kent State já vencia por 35 pontos. Bennett deu dois dribles, gancho curto de esquerda e bola na redinha. Três segundos se passaram. Esse foi a marca histórica do primeiro jogador com autismo a pontuar no basquete universitário.

Esse tempo é uma fração irrisória na dura vida de Kalin Bennett. Aos 19 anos, o jovem foi o primeiro com a doença a receber uma bolsa de estudos para jogar basquete.

“Eu quero, eu posso, eu consigo”. Esse é o lema que o jogador leva para sua vida. Ele só conseguiu andar aos 4 anos e falar aos 7. Nunca desistiu. Foi na maioria das vezes testado e conseguiu se sair bem.

Com 7 anos já queria ser jogador de basquete. Com esse lema foi galgando espaço e se destacou no ensino médio a ponto de receber uma bolsa de Kent State.

Gina Campana, diretora-assistente de diversidade da faculdade, foi essencial para isso acontecer. Ela se reuniu com Sonja Bennett, mãe de Kalin, e explicou o programa feito para alunos com autismo. Ela tem um filho com síndrome de Asperger (um transtorno que afeta a capacidade de socializar e de se comunicar; um espectro do autismo). Mais do que ninguém, Gina sabia o que aquela família havia passado.

As duas se tornaram amigas e o caminho para Kalin estava cada vez mais pavimentado.

Um exemplo

Kalin decidiu se abrir. Quando ainda estava no ensino médio, abriu sua rede social e postou uma foto com uma legenda específica falando que tinha autismo.

No outro dia, seu celular não parava de tremer e brotar notificações. Eram pessoas do mundo inteiro, outros jovens que haviam jogado com ele e que se identificavam com a situação, falavam que tinham a doença e conseguiam se abrir. Kalin virou exemplo.

View this post on Instagram

Most people know me for being very tall, be able to play D1 basketball, for my personality, and the College about to attend next year, but nobody knows my true story my name is Kalin Bennett and I have AUTISM.growing up I've had a very hard time understanding a comprehending people, I didn't speak until I was seven years old, are used to get picked on and bullied, and I never knew about it, and I used to not know when people used to bully me or when people were messing with me, it took me a long time to figure this stuff out but then I came across basketball. basketball has taking me to places I've never would've dreamed of being at and has made me meet new people, actually fantastic people and other former basketball players my dream and desire is to play in the national basketball Association or what you like to collect the NBA I have overcome many challenges and other obstacles that have challenge me but by the grace of God I'm still able to be here a lot of kids like me don't usually get to this point because people put limits on us, I used to struggle with being different and being misunderstood but I think it's a blessing to be different because your haters wouldn't understand what's gonna happen next 😀,they say I wouldn't be anything, They said I wouldn't be able to have a life, they said I wouldn't be able to live out the best live a regular person can dream, but every single day I keep on proving them wrong and rightfully so for my dream is coming true, I did not write this to get FAMOUS or somethin I wrote this so that people can know my story and I can inspire others to keep going to keep pushing,to keep pursuing a dream no matter what others say because the only person at the end of our life e that has the final say is our Lord and Savior Jesus Christ so for whoever reading this keep pushing keep fighting because everyone's future is bright. -Kalin

A post shared by Kalin "Ktech" Bennett (@ktech50) on

Alguns trechos da mensagem de Kalin: "A maioria das pessoas me conhecem por ser muito alto, conseguir jogar na divisão I da NCAA, basquete, minha personalidade... mas ninguém sabe a minha verdadeira história. Meu nome é Kalin Bennett e tenho AUTISMO. Crescendo eu tive dificuldades para compreender as pessoas, eu não falava até os meus sete anos e estava acostumado a sofrer bullying, estava acostumado a não saber quando estavam me zombando e mexendo comigo... Meu sonho e desejo é jogar na NBA, sei que tenho que superar diversos desafios e outros obstáculos, mas com a graça de Deus eu consigo estar aqui e fazer o que muitas outras crianças geralmente não conseguem porque as pessoas nos colocam limites... Eles dizem que não vou ser nada, que não terei uma vida, que não posso ter sonhos, mas a cada dia eu continuo provando que eles estão errados e meu sonho vai se tornar realidade. Não escrevo isso para me tornar famoso, escrevo para que as pessoas saibam minha história e que eu possa inspirá-las para que continuem perseguindo seus sonhos, não importando o que as pessoas dizem...".


“É bom saber que você pode ajudar outras pessoas e inspirar crianças a seguirem seus sonhos, não importando as dificuldades e o quão longe esteja”, falou o jogador ao site Record-Courier.

Foi sendo um exemplo que Kalin entrou em quadra no primeiro jogo da temporada da NCAA. O calouro viu do banco seu time abrir vantagem e a ansiedade para entrar em quadra aumentava.

Quando Rob Senderoff, técnico de Kent State, o chamou, foi aquele momento de fazer história. Tudo isso com sua mãe, seu pai, Gerald, e suas irmãs, LaTonya e Subrena, na arquibancada.

Foram seis minutos em quadra. Dois pontos históricos, dois rebotes e um toco para o menino de 2,10m.

“Sua força está além do tamanho. Temos que trabalhar sua consciência de espaço, habilidade para controlar o corpo, ensiná-lo a como se movimentar na quadra. Tudo no seu tempo”, disse Brice Cox, técnico de performances da Universidade.

Mas Kalin sabe que nada é fácil. Nunca esperariam que ele jogaria o College. Ele já está lá. E os objetivos são ainda maiores…

“Ele já me disse: ‘Mãe, meu próximo passo é a NBA’ e eu não duvido mais nada, só corra atrás, filho”, comentou Sonja.

Talvez daqui alguns anos Kalin esteja fazendo os primeiros pontos de um autista na NBA.

“Eu quero, eu posso, eu consigo”. Ele já fez história...