<
>

Quem é o próximo Zion Williamson? Veja o guia do basquete universitário

A emoção e as loucuras estão de volta. A temporada 2019-20 do basquete universitário norte-americano começa nesta terça-feira com meros 148 jogos (sim, é isso mesmo!). As 353 universidades da 1ª divisão jogarão até abril, quando será conhecido o grande campeão da NCAA.

Para esta temporada, Zion Willliamson não está mais em quadra, mas os jovens jogadores já visam a NBA. Serão ótimos calouros, que já são cotados para as primeiras escolhas do Draft de 2020.

O ESPN.com.br preparou um guia com um resumo de tudo da temporada, desde as mudanças de regras até o momento ufanista, com os brasileiros que jogarão o campeonato


Mudança de regras

Como é de praxe, a NCAA sempre altera um regra aqui e ali. Para 2019-20, a principal mudança é na linha de três pontos. Agora a distância de 6,75m da cesta, mesma da FIBA, que comporta os jogos internacionais.

A linha anterior era de 6,32m. A mudança já foi testada no NIT (torneio de consolação para as equipes que não vão ao March Madness) da temporada passada e foi aprovada.

Outra mudança será o relógio de posse de bola. Quando a equipe pega um rebote ofensivo, o relógio não ser mais resetado aos 30 segundos de posse (diferente dos 24 da NBA), e sim para 20 segundos. Na NBA, por exemplo, quando um time tem a segunda chance de posse de bola, o relógio retorna para 14 segundos, ao invés dos 24.

Por último, os técnicos poderão pedir tempo nos últimos dois minutos dos jogos. Antes da mudança, somente os jogadores poderiam fazer a solicitação.


Top 5 da temporada

1- Michigan StateDuke

Os Spartans contam com um dos melhores técnicos do país em Tom Izzo, mais conhecido como “March Izzo”, por conta dos ótimos desempenhos em março, mês do March Madness, os playoffs do basquete universitário.

Nesta temporada, Michigan State conta com um dos melhores jogadores do país. Cassius Winston, armador que está no último ano, teve médias 18,8 pontos e 7,5 assistências por jogo. O pivô Xavier Tillman terá papel essencial para substituir Nick Ward, que se tornou profissional. O maior problema é ausência de Josh Langford, que lesionou o pé pela segunda vez e não tem prazo para retornar.


2- LouisvilleDuke

Chris Mack chega para a sua segunda temporada nos Cardinals, após fazer um ótimo trabalho na Universidade de Xavier. Pela primeira vez em anos, Louisville é candidata ao título. Jordan Nwora é o grande nome do elenco. O nigeriano disputou a última Copa do Mundo com o país africano.

Várias transferências e, principalmente, o calouro Samuel Williamson vão ser nomes importantes para manter os Cardinals no topo. A equipe na ACC, uma das conferências mais complicadas do país.


3- KansasDuke

Os Jayhawks sempre chegam como favoritos. Recrutamentos expressivos já são recorrentes em Kansas, mas nesta temporada a equipe aposta na continuidade. Dedric Lawson, principal cestinha, se formou, mas por outro lado Devon Dotson (12,3 pontos) e Udoka Azubuike (13,4 pontos) retornam.

O ponto principal é ver a evolução de Ochai Agbaji. Agora no segundo ano, o ala foi uma das gratas surpresas da temporada e se tiver uma melhora de produção, pode até pintar como escolha Top 20 do Draft de 2020.


4- KentuckyDuke

Formar jogadores excelentes para a NBA está no DNA do técnico John Calipari e da Universidade de Kentucky. Foram muitos e muitos nas últimas temporadas e nesta não é diferente. Tyrese Maxey, um dos jogadores mais atléticos de todo o College, é o grande nome.

Mas para vencer a equipe precisa mais do que apenas calouros. Um trio de veteranos retorna (Ashton Hagans, Immanuel Quickley e Nick Richards), aliados com Nate Sestina, transferido de Bucknell e mais uma classe forte de calouros, e Kentucky novamente briga pelo topo.


5- DukeDuke

Como será a vida em Duke após a badalada temporada de Zion Williamson e RJ Barrett? Com muito talento, é claro. Foram mais quatro jogadores cinco estrelas recrutados do ensino médio. Vale ficar de olho em Vernon Carey Jr. e Matthew Hurt, principalmente.

No entanto, o nome que mais chama a atenção é de quem ficou. Tre Jones, irmão de Tyus, atual jogador do Memphis Grizzlies na NBA, melhorou o arremesso na pré-temporada, e deverá ser um dos melhores jogadores do ano. O armador se caracteriza pela excelente visão de jogo. Será que pinta mais um título para Coach K?


Quem pode ganhar o prêmio de melhor jogador?

Cassius WinstonCassius Winston - Michigan State

Posição: Armador

Altura: 1,85m

Peso: 84kg

Melhor armador do país, Winston quer carregar os Bucks rumo ao título nacional, algo que não acontece desde 2000. Com uma visão de jogo apurada, deverá ser um dos líderes de assistências da nação na temporada.


Cassius WinstonMarkus Howard - Marquette

Posição: Armador

Altura: 1,80m

Peso: 81kg

Ninguém pode esquentar mais em um jogo do College que Markus Howard. Ele já fez jogos de 11 bolas de três na temporada passada e nesta não vai ser diferente. O armador pode ser um dos líderes de pontuação do país em 2019-20.


Cassius WinstonMyles Powell - Seton Hall

Posição: Ala-armador

Altura: 1,88m

Peso: 88kg

Powell é um tremendo pontuador. O ala-armador arremessa de qualquer parte da quadra e é atlético o suficiente para infiltrar e causar problemas no garrafão adversário. Seton Hall retorna quase todos os jogadores da última temporada e ter Powell no time os deixa ainda mais fortes.


Cassius WinstonJordan Nwora - Louisville

Posição: Ala

Altura: 2,03m

Peso: 102kg

O nigeriano tem a experiência de ter disputado um torneio profissional, a última Copa do Mundo na China. Com Louisville sendo uma das melhores equipes do país, não vai ser difícil ver o ala nos times especiais da temporada. Espere mais de 20 pontos por jogo do africano.


Melhores calouros

James Wiseman - Memphis

Posição: Pivô

Altura: 2,16m

Peso: 109kg

Wiseman é o melhor jogador da classe que saiu do ensino médio, de acordo com o ranking da ESPN norte-americana.

O arremesso de canhota lembra Chris Bosh, mas a principal virtude do jovem está no lado defensivo. É um protetor de aro, que é muito difícil de ser batido na área pintada. Provavelmente estará no Top 5 do Draft de 2020.

Cole Anthony - North Carolina

Posição: Armador

Altura: 1,91m

Peso: 86kg

Anthony é praticamente completo logo na sua temporada de calouro. Se pudesse ir diretamente para a NBA, já estaria lá.

Um dos mais habilidosos jogadores do basquete universitário, nunca se sabe quando o armador vai arremessar, infiltrar ou passar a bola para um companheiro. Deve brilhar em North Carolina.

Anthony Edwards - Georgia

Posição: Ala-armador

Altura: 1,96m

Peso: 102kg

Um dos prospectos mais intrigantes da temporada, Edwards é um dos calouros mais atléticos do país. Pode marcar até alas-pivôs e é quase imparável em transição.

Melhorar o arremesso é o principal objetivo para pensar mais alto no Draft de 2020. Joga em uma equipe que não deve brigar por muita coisa na temporada.

Isaiah Stewart - Washington

Posição: Ala-pivô

Altura: 2,06m

Peso: 113kg

Outro ala-pivô dominante da classe, Stewart é quase unidimensional atualmente. Joga exclusivamente no garrafão.

Mas ali tem o domínio suficiente para ser tratado como uma pérola em Washington. Junto com Jaden McDaniels, podem fazer uma das melhores duplas do College.

Nico Mannion - Arizona

Posição: Armador

Altura: 1,91m

Peso: 86kg

O italiano já até estreou pela seleção principal. No College, vai liderar Arizona, uma das principais universidades no basquete norte-americano, mas que sofreu com problemas extra quadra.

É um arremessador consistente e pode ser o “queridinho” da imprensa. Terá jogos como os de Trae Young no College.

Quem pode ser a Cinderella (zebra da temporada)?

Utah StateMichigan State

Um dos melhores jogadores universitários está atuando em Utah State. Isso basta para os Aggies brigarem para ser uma das grandes zebras da temporada. Sam Merrill foi um dos cestinhas do último ano, com 20,9 pontos por jogo.

Neemias Queta, no segundo ano de faculdade, é um dos principais defensores da NCAA. O português já estreou pela seleção principal e teve seu nome cotado para o Draft de 2019. Uma boa campanha com os Aggies o colocarão como escolha de 1ª rodada em 2020.


HarvardMichigan State

Não é apenas no nível acadêmico que Harvard se destaca. A equipe tem conseguido bons recrutas no ensino médio norte-americano e há pelo menos três anos tem montado equipes consistentes. As lesões derrubaram as chances nas últimas temporadas, mas nesta o March Madness parece bem possível.

Bryce Aiken é um armador muito subestimado e Seth Towns é um dos melhores jogadores não-conhecidos do basquete universitário. Nas loucuras de março (se chegarem lá) podem incomodar várias universidades renomadas.


New Mexico StateMichigan State

Na última temporada, New Mexico State quase eliminou Auburn, que acabou indo para o Final Four. Os Aggies (sim, mais um time com esse nome) retornam boa parte do time que se destacou.

AJ Harris é o principal jogador da equipe, mas perderá o começo de temporada, devido a uma lesão. Ivan Aurrecoechea deverá tomar as rédeas durante esse período.


Brasileiros, temos?

Cassius WinstonLucas Siewert - Colorado

Posição: Ala-pivô

Altura: 2,08m

Peso: 104kg

Na temporada passada, Lucas teve médias 8,9 pontos e 5,0 rebotes por jogo. O brasileiro é um legítimo “stretch-four”, um ala-pivô que espaça a quadra e é especialista em arremessos de longa distância.

Estará no último ano de College e pode ser titular em Colorado. Ainda é muito cedo para pensar se terá chances no Draft da NBA.


Túlio da Silva - Missouri State

Posição: Ala-pivô

Altura: 2,03m

Peso: 96kg

Brasileiro com melhor produção no College em anos, Túlio é o principal jogador de Missouri State e teve médias de 14,3 pontos e 7,4 rebotes por partida na última temporada.

O ala-pivô é um dos mais dominantes jogadores de garrafão da Missouri Valley e pode até brigar pelo prêmio de melhor jogador da conferência.


Outros: Lázaro Rojas (Fresno State), Victor Baffuto (Mercer), Bernardo Silva (Hawaii), Jonathan dos Anjos (Loyola Marymount) e Matheus Silveira (Austin Peay).

*Mais brasileiros jogam no College, mas nas divisões II e III, e JUCO (Junior College) e NAIA.