<
>

Maratonas de Berlim e Nova York são canceladas por causa da pandemia de COVID-19

play
Companheirismo e superação: o dia que a humanidade superou a competição (1:00)

Chandler Self estava liderando a Dallas Marathon em 2017, mas começou a sentir muitas dores nas pernas... sorte dela que Ariana Luterman, uma corredora universitária, estava lá para ajudá-la. (1:00)

Os organizadores das Maratonas de Berlim e Nova York, duas das mais badaladas do atletismo mundial, anunciaram nesta quarta-feira o cancelamento das provas, por causa da pandemia de COVID-19.

A prova na capital da Alemanha estava prevista para o fim de semana dos dias 26 e 27 de setembro, mas não acontecerá pela incapacidade de que sejam cumpridas todas as medidas de segurança para evitar a propagação do novo coronavírus, segundo comunicado.

As autoridades locais proibiram, até 24 de outubro, eventos com mais de 5 mil pessoas. A realização, segundo os organizadores, ficou comprometida, inclusive, para data posterior à prevista inicialmente.

A Maratona de Nova York, por sua vez, aconteceria em 1º de novembro, mas acabou cancelada em acordo dos promotores com a prefeitura da cidade, que é um dos epicentros da pandemia nos Estados Unidos.

Essa é apenas a segunda vez que a competição é cancelada em 50 anos de existência. A primeira aconteceu em 2012, devido aos efeitos provocados pela passagem do furacão Sandy.

As Maratonas de Berlim e Nova York fazem parte do grupo de seis provas que são consideradas as mais importantes do planeta, junto com as de Boston e Chicago, ambas nos EUA, Londres, no Reino Unido, e Tóquio, no Japão.