<
>

Paulo André vai à semi dos 100m no Mundial; Almir é finalista no salto triplo

Paulo André quer correr abaixo dos 10 segundos (Foto: Wagner Carmo/CBAt))

O Brasil teve motivos para comemorar no primeiro dia do Mundial de atletismo. Nesta sexta-feira, Paulo André dominou sua bateria nos 100m rasos, venceu com o tempo de 10s11, avançou à semifinal e rompeu uma barreira para a modalidade brasileira, que não chegava à fase há 24 anos, desde de Robson Caetano, em Gotemburgo 1995.

“Mais um passo alcançado. Eu conversei com o meu técnico (Camilo de Oliveira) e disse que eu queria ganhar a eliminatória com sobra e um tempo bom. O tempo não foi tão bom assim, mas eu me qualifiquei com sobra. É trabalhar passo a passo para chegar no objetivo que é ir a final e quem sabe beliscar uma medalha do Brasil”, disse Paulo André.

A expectativa do velocista, porém, é correr abaixo dos 10 segundos. “Estou trabalhando para isso, estou pronto para isso, as condições estão boas – o estádio é climatizado. Só achei estranho uma galera, não sei de que país, fazendo um pouco de barulho na largada. Mas na semifinal, espero ter bastante silencio e concentração para ir à final”, analisou.

Por outro lado, Vitor Hugo dos Santos, sétimo na quarta bateria com 10s42, e Rodrigo Nascimento, quarto na sexta série ao contabilizar 10s25, não avançaram, mas voltam ás pistas no revezamento 4x100m masculino, no dia 5 de outubro, o penúltimo de competições.

No salto triplo, Almir dos Santos Junior (Sogipa), obteve a marca de 16,92m (-0.5), a quinta melhor do Grupo A e se qualificou para a decisão em oitavo lugar – o melhor salto da qualificação foi do português Pedro Paulo Pichardo, com 17,38m. “É uma prova muito dura. Sou novo ainda no triplo e estou buscando melhorar e acertar os detalhes da prova. Ainda tenho muito a aprender pensando em 2020”, ressaltou

Nos 400m com barreiras, Alison Brendom dos Santos foi o segundo colocado em sua série, com 49s66 e avançou no Mundial para a semifinal da prova que será disputada neste sábado. O primeiro na bateria foi Kyron McMaster, das Ilhas Virgens Britânicas, com 49s60. E a melhor marca da qualificação foi do atleta do Catar Abderrahman Samba, com 49s08 – Alison ficou na 13ª posição no geral.