<
>

Acusado de trapaça, 'recordista' da Maratona de Los Angeles é encontrado morto

Frank Meza, atleta que foi desqualificado nesta semana da última edição da Maratona de Los Angeles, e que também teve sua vitória e seu recorde cancelados, foi encontrado morto no leito do rio Los Angeles, nos EUA, confirmaram nesta sexta-feira as autoridades locais.

O corpo do corredor, de 70 anos, foi encontrado no leito do rio que cruza a maior cidade da Califórnia depois que as autoridades responderam a um alerta sobre um homem que foi visto pulando de uma ponte.

O Instituto Médico Legal (IML) de Los Angeles identificou nesta sexta-feira o corpo como sendo de Meza. A morte do corredor, médico de profissão, acontece três dias depois que as autoridades da Maratona de Los Angeles retiraram o primeiro lugar que ele obteve dentro do grupo de atletas com entre 70 e 74 anos em março, quando aconteceu a última edição da competição.

Meza obteve o melhor tempo oficial nessa categoria ao cruzar a linha de chegada em 2h53min10, enquanto o segundo corredor concluiu o percurso em 4h10min07.

O surpreendente recorde e a diferença de mais de uma hora entre os dois corredores chamou a atenção dos organizadores, que decidiram revisar os vídeos do percurso.

Derek Murphy, investigador da corrida, disse à emissora "ABC" que, após revisar as imagens da maratona, viu que Meza desapareceu das câmeras e ressurgiu mais adiante.

Em declarações ao jornal "Los Angeles Times", Meza admitiu que deixou o percurso da corrida por um momento em busca de um banheiro e que prosseguiu em uma calçada até encontrar um.

O corredor, cujas marcas conseguidas em outras maratonas também deverão ser apuradas, se declarou inocente e disse que tinha percorrido os mais de 42 km da corrida.

Meza, que era de origem mexicana, foi treinador de atletismo na escola de ensino médio Loyola, em Los Angeles, e também um dos fundadores do Clube de Atletismo de Aztlan, um grupo local que promovia o esporte.

A escola disse aos veículos de imprensa locais que Meza pediu demissão em junho por motivos de saúde.