<
>

Entidade acusa medalhista de fazer parte de grupo terrorista e quer suspender ouro conquistado em Tóquio

play
Rebeca Andrade faz história, leva a prata e vence a primeira medalha na ginástica feminina do Brasil em Olimpíadas (1:48)

Veja como foi a conquista da brasileira em Tóquio (1:48)

Medalha de ouro no Tiro Esportivo com pistola de ar no tiro de 10m na Olimpíada de Tóquio, o iraniano Javad Foroughi está sendo acusado de fazer parte da Força Quds do Corpo de Guardas da Revolução Islâmica, entidade apontada como uma organização terrorista.

A acusação foi feita pelo grupo United for Navid, que atua a favor dos direitos humanos no Irã. A entidade aponta que Foroughi é um 'antigo membro' do Estado Islâmico e cobra ações imediatas do Comitê Olímpico Internacional.

O grupo foi criado após o lutador olímpico Navid Afkari, do Irã, ter sido condenado à morte por enforcamento no país ao ser acusado e apontado como culpado pela morte de duas pessoas durante os protestos contrários ao governo islâmico no Irã em 2020.

O United for Navid pede diversas punições ao Irã por meio de reclamações ao Comitê Olímpico. O grupo recorreu à Comissão de Ética do COI que exista uma investigação a respeito ou será "cúmplice na promoção do terrorismo e de crimes contra a humanidade".

"Conceder uma medalha de ouro olímpica a um membro de uma organização terrorista é uma afronta terrível aos atletas e aos ideais olímpicos e deixa uma marca negra no COI", diz o grupo. O Comitê Olímpico Internacional segue em silêncio a respeito do caso.