<
>

Seleção brasileira: Fred não vê necessidade do Brasil jogar constantemente contra europeus

play
Fred elogia o 'sensacional' Tite ao ser perguntado sobre Renato Gaúcho: 'Estamos de mãos dadas com ele' (1:01)

Volante da seleção concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira (1:01)

Nos últimos anos, tornou-se raro o enfrentamento do Brasil contra seleções europeias, principalmente depois da criação da Liga das Nações da Uefa. Com isso, a seleção brasileira vem jogando quase sempre contra outros sul-americanos, além de africanos, asiáticos e rivais da Concacaf.

Brasil x Peru será na quinta-feira (17), às 21h (de Brasília), com transmissão ao vivo da ESPN Brasil e do ESPN App

Para o volante Fred, porém, não há necessidade de haver jogos constantemente contra equipes do "Velho Continente", já que outros adversários, principalmente da América do Sul, oferecem bom nível de desafio para a seleção.

Em coletiva na última terça-feira, o jogador do Manchester United argumentou sobre o tema.

"As seleções europeias têm grandes equipes, mas aqui na América do Sul também tem grandes equipes. Você joga sempre contra seleções muito difíceis, equipes como Argentina e Uruguai são grandes times", afirmou.

play
1:01

Fred elogia o 'sensacional' Tite ao ser perguntado sobre Renato Gaúcho: 'Estamos de mãos dadas com ele'

Volante da seleção concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira

"Até contra as equipes menores aqui (da América do Sul) é muito difícil jogar. Contra o Brasil, eles jogam se defendendo bem e tentam sair no contra-ataque. E, sim, esses confrontos servem de parâmetro para nós. Não é necessariamente preciso jogar contra equipes europeias sempre", salientou.

Questionado se achava que a CBF deveria tentar mais amistosos contra europeus até a chegada da Copa do Mundo 2022, no Catar, Fred lembrou que é difícil fazer o encaixe de datas, já que a Liga das Nações e as eliminatórias ocupam quase todo o calendário dos europeus.

"Acho que, nesses amistoso (até o Mundial de 2022), a CBF vai procurar os melhores adversários para nós, para que a gente possa fazer grandes jogos antes da Copa do Mundo. É difícil dizer que será contra europeus, por causa do calendário deles, então a gente não sabe", observou.

"Mas o trabalho vem sendo muito bem feito desde a Copa-2018. Os números são muito bons. A gente não sabe os próximos adversários, mas a gente jogou muito contra sul-americanos. Vamos procurar os melhores rivais agora para que a gente possa fazer um grande trabalho antes da Copa", completou.

play
1:25

Fred relembra convocação ao lado de Taison para Copa de 2018: 'Não foi injusto, nós merecemos'

Volante da seleção relembrou ida para o Mundial da Rússia

Números comprovam poucos Brasil x Europa

Segundo levantamento do DataESPN, dos 55 jogos realizados por Tite no comando da seleção, só 9 foram contra europeus (16,36%).

Os adversários da Europa enfrentados pelo Brasil no período foram Áustria, Bélgica, República Tcheca, Croácia, Inglaterra, Alemanha, Rússia, Sérvia e Suíça.

Destes, Sérvia (fase de grupos), Suíça (fase de grupos) e Bélgica (quartas-de-final) foram na Copa do Mundo 2018. Os outros foram todos amistosos.

Desde o Mundial da Rússia, porém, o número de enfrentamento contra europeus caiu drasticamente.

Da Copa-2018 até hoje, o Brasil de Tite só jogou contra um europeu: a República Tcheca (vitória canarinho por 3 a 1, em março de 2019).

Ou seja: dos 29 jogos realizados no período, só 1 foi contra um time da Europa, contra 18 da América do Sul, 3 da Ásia, 3 da África, 3 da América Central e 1 da América do Norte.

Os outros rivais enfentados no período foram Peru (4 vezes), Argentina (3), Venezuela (3), Bolívia (2), Paraguai (2), Uruguai (2), Arábia Saudita (1), Colômbia (1), Catar (1), Camarões (1), Equador (1), El Salvador (1), Honduras (1), Coreia do Sul (1), Nigéria (1), Panamá (1), Estados Unidos (1) e Senegal (1).