<
>

Bola da Vez: Coordenador de cursos de técnico da Argentina diz 4 treinadores que impactariam Brasil

Neste sábado, o "Bola da Vez" recebe Leo Samaja, coordenador do curso de formação de técnicos da AFA (Associação de Futebol Argentino). O programa vai ao ar neste sábado, às 22h (de Brasília), na ESPN Brasil e no ESPN App.

Em entrevista ao apresentador André Plihal e aos comentaristas André Kfouri e Mauro Cezar Pereira, Samaja apontou quatro nomes argentinos que poderiam causar um "impacto grande" a curto prazo se viessem trabalhar no Brasil.

São eles: Gabriel Heinze, Ariel Holan, Hernán Crespo e José Pékerman.

No momento, Heinze e Pékerman estão sem trabalho. Holan está à frente da Universidad Católica, do Chile, enquanto Crespo comanda o Defensa y Justicia, da Argentina.

"O Gabriel Heinze, reúne todas as características (para trabalhar no futebol brasileiro). O Ariel Holan [...] começou no futebol com quase 50 anos, ele não vem do futebol. Começou como analista, imagina um cara de 50 anos, analista de performance do (técnico) Matías Almeyda em sua primeira experiencia no Banfield. Isso é o futebol argentino, oportunidade para todos!", apontou Samaja.

"Acho que o Holan daria certo em determinados projetos. A gente não pode falar de forma geral, né... Isso é do futebol argentino. Não são todos os treinadores que colam em todos os projetos. O DNA do clube tem que ser respeitado para você escolher um treinador à altura da sua instituição. Pode dar certo, pode dar errado, mas você minimiza o risco", argumentou.

"O Hernán Crespo, hoje no Defensa y Justicia, é um deles. O (José) Nestor Pékerman, que tirou um descanso e está afastado da profissão depois da seleção colombiana. Acho que seria um treinador que faria muitas mudanças e transformações", seguiu.

"São alguns que acredito que possam fazer diferença a curto prazo, que você sabe que chegam e podem ocasionar um impacto muito grande no trabalho que assumirem. São quatro nomes sensacionais", concluiu.

Vale lembrar que Heinze é um dos nomes que interessam ao Palmeiras, atualmente sem comandante desde a demissão de Vanderlei Luxemburgo.